LIXO ESPALHADO POR CABO FRIO

Lixo espalhado pela rua e outro quase na pista, próximo ao ponto de ônibus. Será que não tiveram tempo de recolher ou a Comsercaf aderiu a greve dos servidores?

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

PEQUENAS DOSES

Buracos

Reunião dos prefeitos da Região dos Lagos com o ex-deputado Simão Sessin acabou por se restringir a pedido de massa asfáltica para tapar os milhares de buracos, que fazem da região o paraíso das oficinas de automóveis.

Demagogia

Querer extensão da Via Lagos até Tamoios, sem novo posto de pedágio é demagogia pura para enganar mais uma vez a população. Qual a empresa que vai aceitar uma dessa?

Velha política

Simão Sessim, de Nilópolis é o mais puro exemplo da chamada “velha política”, no Estado do Rio de Janeiro. Os prefeitos e seus propagandistas acham que enganam alguém?

Baixada Fluminense

Os políticos da Baixada Fluminense estão avançando, com suas práticas políticas por demais conhecidas, sobre a Região dos Lagos. Gente como Washington Reis de Caxias e Simão Sessim de Nilópolis estão querendo se instalar, em definitivo, por aqui.

O “puxadinho”

Os “órfãos e viúvas” do “grande irmão cabofriense”, Carlos Victor Mendes, o Vivique, continuam confortavelmente instalados, no jovem município de Iguaba Grande.

Esquecimento

O governo de Adriano Moreno/Cati e sua secretaria de cultura até hoje não falaram sobre o desaparecimento de milhares de livros da biblioteca pública municipal.

Retorno

Consta que a Biblioteca Walter Nogueira da Silva tinha mais de 40 mil exemplares e que hoje, após o retorno ao antigo prédio de sua sede, tem cerca de 10 mil.

Biblioteca & Pinacoteca

Quando esteve em visita a Cabo Frio, em 2019, o médico Walter Nogueira Júnior, filho do fundador lembrou aos “esquecidos”, que a biblioteca abrigava também uma pinacoteca. Por onde andam os livros e os quadros?

A sede da biblioteca foi comprada

A maior parte da população não sabe, mas o prédio, que abriga a biblioteca não foi doado por algum “mecenas” cabofriense. O prédio foi comprado no governo de José Bonifácio, portanto, com dinheiro público.

A Mobilização!

O prédio foi comprado e reformado pela prefeitura de Cabo Frio com o objetivo de ser a sede da Biblioteca Walter Nogueira da Silva. Não é por acaso que vários cabofrienses ilustres se mobilizaram para a volta do acervo da biblioteca ao seu prédio de origem.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

APOIAMOS A NOTA ABAIXO !!!! NOTA DE REPÚDIO E DENUNCIA DE ATENTADO AO ESTADO LAICO E DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES.

Recebemos da advogada Margareth Ferreira, liderança do Movimento Negro, em Cabo Frio, o texto abaixo.

A presente NOTA tem fulcro na decisão do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente do Município de Cabo Frio, Região do Lagos, RJ, ligado a SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DIREITOS HUMANOS E DA MULHER, que anunciou a posse dos novos Conselheiros Tutelares eleitos no final de 2019, será realizada no dia 10 de janeiro de 2020, as 10 horas no Centro Evangelístico Internacional – CEI, renomada instituição religiosa do segmento evangélico localizada no município.
A decisão, entretanto, deixa de observar os direitos dos munícipes praticantes de outros credos e cultos religiosos, ferindo de morte os preceitos constitucionais da dignidade da pessoa humana e da liberdade de crença, e principalmente o da laicidade do Estado brasileiro. Não fosse apenas isto, o Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, razão de existir de tal órgão, em seu artigo 16 inciso III preceitua que a Liberdade de crença e religião encontra-se entre as liberdades garantidas pelo art 15º do mesmo diploma legal que menciona expressamente: “A criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeitos de direitos civis, humanos e sociais garantidos na Constituição e nas leis.”
O município de Cabo Frio, atualmente com mais de 200 mil habitantes, é um dos maiores do estado do Rio de Janeiro e possui inúmeros prédios públicos dotados de capacidade para a realização de solenidades dessa natureza, de diversos tamanhos e condições de abrigar confortavelmente os participantes, com opções de salões, escolas e auditórios. Mesmo que não existisse, é de conhecimento geral que o Fórum da Comarca, a OAB, a Acia e outros órgãos públicos também possuem auditórios com capacidade para receber a atividade; restariam ainda, instituições privadas sem ligação com religiões ou partidos políticos onde poderia ser realizado o evento se causar constrangimentos a qualquer cidadão ou cidadã que deseje participar da solenidade sem ver questionado seu direito e suas liberdades.
Vale dizer que a observância dos princípios constitucionais é dever de todo agente público, velando pela estrita observância dos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade no trato dos assuntos que lhe são afetos e buscando a proteção de todos os brasileiros e brasileiras sem qualquer distinção em virtude do princípio da isonomia de direitos, não sendo admitidos privilégios de qualquer ordem e sob qualquer pretexto sob a quem quer que seja, pena de arcar com os ônus decorrentes da infração, por medias administrativas ou judiciais.
Qual a mensagem que a administração do município, em ano eleitoral, vale ressaltar, pretende enviar a seus cidadãos e cidadãs com a presente atividade em solo sagrado de uma denominação religiosa?
É notória a ingerência de políticos e religiosos evangélicos nas esferas e decisões governamentais e administrativas, muitas delas que nem sequer conseguimos tomar conhecimento, razão pela qual cumpre-nos denunciar aquelas que se tornam publicas e já anunciam a exacerbação desses poderes com o risco de violar cada vez mais os direitos dos grupos historicamente oprimidos.
A intolerância religiosa para com os as religiões afro-brasileiras e de matriz africana encontra-se em patamares cada vez mais elevados, com o aval desses mesmos políticos e gestores públicos, cabendo a todos os brasileiros a defesa dos direitos preconizados em nossa Carta Magna, visando preservar tradições e ritos de todos os povos que habitam o nosso país.
Com a presente, denunciamos que nenhum ente federativo deve utilizar o espaço religioso de qualquer denominação para dar posse a tão importante órgão de defesa de direitos de nossas crianças e adolescentes razão pela qual a SOLENIDADE DE POSSE DOS CONSELHEIROS TUTELARES DE CABO FRIO NÃO PODE OCORRER EM UM ESPAÇO PRIVADO RELIGIOSO E DEVE SER ALTERADO, EM NOME DO ESTADO LAICO E DA LIBERDADE DE CRENÇA.
A Adapo – Rede de Povos Tradicionais de Matriz Africana da Região dos Lagos, juntamente com as organizações signatárias do presente REPUDIA veementemente a decisão do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente de Cabo Frio, pois a liberdade de crença compreende o direito de escolha livre da religião, o de aderir a qualquer religião, praticar ou deixar de praticá-la da forma como escolher, como também o direito de não aderir a religião alguma, assim como a liberdade de descrença, a liberdade de ser ateu e de exprimir o agnosticismo e todos esses brasileiros precisam ser respeitados, registrando que apresentamos petições aos seguintes órgãos para intervirem no sentido de corrigir esse terrível equívoco; MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL, MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL (Direitos da Criança e Tutelas Coletivas) e CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE CABO FRIO.

ASSINAM A PRESENTE, conjuntamente as seguintes organizações:
MNU – Movimento Negro Unificado – (organização de abrangência Nacional)
Forum de Religiosidade Afrobrasileira de Campos dos Goytacases
UNEGRO – União de Negros pela Igualdade (organização de abrangência Nacional)
CETRAB – Centro De Tradições Afrobrasileiras (organização de abrangência Nacional)
MANTA – Movimento de Aglutinação Nacional das Tradições Ancestrais (organização de abrangência Nacional)
Organização Comunidade de Terreiros
Rede das Pretas – Coletivo de Mulheres Negras

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO

Nascimento: Recife – 9 de janeiro de 1920.

Falecimento: Rio de Janeiro – 9 de outubro de 1999.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

Poema(s) da Cabra – João Cabral de Melo Neto

Nós também comemoramos o centenário de João Cabral de Melo Neto.

Nas margens do Mediterrâneo
não se vê um palmo de terra
que a terra tivesse esquecido
de fazer converter em pedra.

Nas margens do Mediterrâneo
Não se vê um palmo de pedra
que a pedra tivesse esquecido
de ocupar com sua fera.

Ali, onde nenhuma linha
pode lembrar, porque mais doce,
o que até chega a parecer
suave serra de uma foice,

não se vê um palmo de terra
por mais pedra ou fera que seja,
que a cabra não tenha ocupado
com sua planta fibrosa e negra.

1

A cabra é negra. Mas seu negro
não é o negro do ébano douto
(que é quase azul) ou o negro rico
do jacarandá (mais bem roxo).

O negro da cabra é o negro
do preto, do pobre, do pouco.
Negro da poeira, que é cinzento.
Negro da ferrugem, que é fosco.

Negro do feio, às vezes branco.
Ou o negro do pardo, que é pardo.
disso que não chega a ter cor
ou perdeu toda cor no gasto.

É o negro da segunda classe.
Do inferior (que é sempre opaco).
Disso que não pode ter cor
porque em negro sai mais barato.

2

Se o negro quer dizer noturno
o negro da cabra é solar.
Não é o da cabra o negro noite.
É o negro de sol. Luminar.

Será o negro do queimado
mais que o negro da escuridão.
Negra é do sol que acumulou.
É o negro mais bem do carvão.

Não é o negro do macabro.
Negro funeral. Nem do luto.
Tampouco é o negro do mistério,
de braços cruzados, eunuco.

É mesmo o negro do carvão.
O negro da hulha. Do coque.
Negro que pode haver na pólvora:
negro de vida, não de morte.

    3

O negro da cabra é o negro
da natureza dela cabra.
Mesmo dessa que não é negra,
como a do Moxotó, que é clara.

O negro é o duro que há no fundo
da cabra. De seu natural.
Tal no fundo da terra há pedra,
no fundo da pedra, metal.

O negro é o duro que há no fundo
da natureza sem orvalho
que é a da cabra, esse animal
sem folhas, só raiz e talo,

que é a da cabra, esse animal
de alma-caroço, de alma córnea,
sem moelas, úmidos, lábios,
pão sem miolo, apenas côdea.

4

Quem já encontrou uma cabra
que tivesse ritmos domésticos?
O grosso derrame do porco,
da vaca, do sono e de tédio?

Quem encontrou cabra que fosse
animal de sociedade?
Tal o cão, o gato, o cavalo,
diletos do homem e da arte?

A cabra guarda todo o arisco,
rebelde, do animal selvagem,
viva demais que é para ser
animal dos de luxo ou pajem.

Viva demais para não ser,
quando colaboracionista,
o reduzido irredutível,
o inconformado conformista.

5

A cabra é o melhor instrumento
de verrumar a terra magra.
Por dentro da serra e da seca
não chega onde chega a cabra.

Se a serra é terra, a cabra é pedra.
Se a serra é pedra, é pedernal.
Sua boca é sempre mais dura
que a serra, não importa qual.

A cabra tem o dente frio,
a insolência do que mastiga.
Por isso o homem vive da cabra
mas sempre a vê como inimiga.

Por isso quem vive da cabra
e não é capaz do seu braço
desconfia sempre da cabra:
diz que tem parte com o Diabo.

6

Não é pelo vício da pedra,
por preferir a pedra à folha.
É que a cabra é expulsa do verde,
trancada do lado de fora.

A cabra é trancada por dentro.
Condenada à caatinga seca.
Liberta, no vasto sem nada,
proibida, na verdura estreita.

Leva no pescoço uma canga
que a impede de furar as cercas.
Leva os muros do próprio cárcere:
prisioneira e carcereira.

Liberdade de fome e sede
da ambulante prisioneira.
Não é que ela busque o difícil:
é que a sabem capaz de pedra.

7

A vida da cabra não deixa
lazer para ser fina ou lírica
(tal o urubu, que em doces linhas
voa à procura da carniça).

Vive a cabra contra a pendente,
sem os êxtases das decidas.
Viver para a cabra não é
re-ruminar-se introspectiva.

É, literalmente, cavar
a vida sob a superfície,
que a cabra, proibida de folhas,
tem de desentranhar raízes.

Eis porque é a cabra grosseira,
de mãos ásperas, realista.
Eis porque, mesmo ruminando,
não é jamais contemplativa.

8

O núcleo de cabra é visível
por debaixo de muitas coisas.
Com a natureza da cabra
outras aprendem sua crosta.

Um núcleo de cabra é visível
em certos atributos roucos
que têm as coisas obrigadas
a fazer de seu corpo couro.

A fazer de seu couro sola,
a armar-se em couraças, escamas:
como se dá com certas coisas
e muitas condições humanas.

Os jumentos são animais
que muito aprenderam com a cabra.
O nordestino, convivendo-a,
fez-se de sua mesma casta.

9

O núcleo de cabra é visível
debaixo do homem do Nordeste.
Da cabra lhe vem o escarpado
e o estofo nervudo que o enche.

Se adivinha o núcleo de cabra
no jeito de existir, Cardozo,
que reponta sob seu gesto
como esqueleto sob o corpo.

E é outra ossatura mais forte
que o esqueleto comum, de todos;
debaixo do próprio esqueleto,
no fundo centro de seus ossos.

A cabra deu ao nordestino
esse esqueleto mais de dentro:
o aço do osso, que resiste
quando o osso perde seu cimento.

*

O Mediterrâneo é mar clássico,
com águas de mármore azul.
Em nada me lembra das águas
sem marca do rio Pajeú.

As ondas do Mediterrâneo
estão no mármore traçadas.
Nos rios do Sertão, se existe,
a água corre despenteada.

As margens do Mediterrâneo
parecem deserto balcão.
Deserto, mas de terras nobres
não da piçarra do Sertão.

Mas não minto o Mediterrâneo
nem sua atmosfera maior
descrevendo-lhe as cabras negras
em termos da do Moxotó.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

PEQUENAS DOSES

“Gente do bem”

A Prolagos e a prefeitura de Cabo Frio retiraram “prováveis” ligações clandestinas de esgoto, na Praia de São Bento. Área de restaurantes e “gente do bem”: falta de respeito com a cidade. Tinha que descobrir e publicar o nome. A notícia foi publicada no site do jornal Folha dos Lagos.

Rotina

Mantendo a rotina, a prefeitura de Adriano Moreno e Antônio Carlos Vieira, o Cati, descumpriu o calendário e não pagou os servidores efetivos da educação. No governo de Adriano, nem o Fundeb dá jeito.

Quais as prioridades?

Setores como a Comsercaf e a Guarda Municipal estão recebendo em dia, mas a Educação, não. Por aí, percebe-se as reais prioridades da prefeitura de Cabo Frio.

“Pedir o boné”

Espanta que Clésio Guimarães Faria, professor muito respeitado, continue participando do governo Adriano Moreno, como secretário de fazenda. O desrespeito do prefeito com a categoria indica que passou da hora do secretário “pedir o boné”.

Espanto!

O ex-prefeito José Bonifácio mostrou nas redes sociais os bancos quebrados da Rodoviária de Cabo Frio. Caso fizesse uma inspeção mais rigorosa e fosse aos banheiros ficaria ainda mais espantado.

Sem coligação?

O PSOL de Cabo Frio deve publicar um vídeo anunciando os possíveis candidatos do partido para a eleição de 2020. O partido, que vai se reunir após o dia 10 deve seguir sem coligação.

Espólio Bolsonarista

A extrema direita cabofriense não se entende na disputa do espólio bolsonarista: Gurgel, Mauro Bernardo, Sérgio Luiz Azevedo e de asa quebrada, Adriano Moreno/Antônio Carlos Vieira, o Cati.

Analistas & Oportunistas

Alguns “analistas de Bagé” e outros oportunistas acreditam que a presença do PSL e da Família Bolsonaro dará muitos filhotes, em Cabo Frio, na eleição de 2020. Não é por acaso que não querem diálogo com setores progressistas.

Renato Marins e o PT

O PT que há muito tempo não sabe o que é ter o protagonismo em eleição municipal está lançando a candidatura do empresário Renato Marins, que foi candidato a prefeito e militou no PFL. O empresário é o proprietário da Padaria Remmar.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

SÃO JUDAS TADEU

Alair e Marquinhos continuam procurando a imprensa para dizer que são candidatos a prefeito, em 2020. Com o histórico de ambos na Justiça Eleitoral, devem estar contando com o apoio de São Judas Tadeu, o santo das causas impossíveis.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

PEQUENAS DOSES

Miguel & outros

A folha de pagamentos da área da saúde não tem gente só do vereador/secretário Miguel Alencar, mas de boa parte da bancada da base do governo na câmara.

Estranho!

Estranho é o líder da oposição não se pronunciar sobre o assunto, que tem implicações sérias no atraso do pagamento dos servidores e não apenas da saúde.

Circulando

José Bonifácio continua circulando por todo Cabo Frio, inclusive na rodoviária que construiu e que leva o nome do seu pai Aléxis Novellino, pioneiro no transporte coletivo, no município.

To Aqui

José Bonifácio circulou no terminal rodoviário e parou para um bate-papo e beber água na sensação da rodoviária, o “To Aqui”, do publicitário Gabriel de Mello.

Assistência social

Fabrício Valadares cotado para ser o próximo secretário de assistência social do governo Adriano Moreno/Cati: a indicação é da Família Bento, que colou em mais um governo. Pra variar!

Ação em família?

Consta que Vanderlei Bento será vice de Adriano. O irmão Wanderson, candidato a câmara com o apoio de Fabrício, como secretário de assistência social.  Em 2022, papai Silas tenta mais uma vez a ALERJ.

Indicação de mamãe já era!

A professora Marta Bastos, atual secretária de assistência social, sai do governo ou vai para uma assessoria especial. Como se vê, em época de reeleição, nem indicação de mamãe vale mais.

Manobra manjada!

O governo de Adriano Moreno está se especializando nessa manobra pra lá de manjada na política. Quando alguém se torna incomodo ou precisa ser escondido vai para uma assessoria especial.

Caiu pra cima!

Assim “caiu pra cima” o ex-secretário de fazenda, Antônio Carlos Vieira, o Cati, que, com a imagem extremamente desgastada precisava ser “escondido”. Foi então para a assessoria especial de gabinete onde continua mandando.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

NOTURNO – Ariano Suassuna

Têm para mim chamados de outro mundo
as noites perigosas e queimadas,
quando a lua aparece mais vermelha
São turvos sonhos, mágoas proibidas,
são ouropéis antigos e fantasmas
que, nesse mundo vivo e mais ardente
consumam tudo o que desejo aqui.

Será que mais alguém vê e escuta?

Sinto o roçar das asas amarelas
e escuto essas canções encantatórias
que tento, em vão, de mim desapossar.

Diluídos na velha luz da lua,
a quem dirigem seus terríveis cantos?

Pressinto um murmuroso esvoejar:
passaram-me por cima da cabeça
e, como um halo escuso, te envolveram.
Eis-te no fogo, como um fruto ardente,
a ventania me agitando em torno
esse cheiro que sai de teus cabelos.

Que vale a natureza sem teus olhos?
Aquela por quem meu sangue pulsa?

Da terra sai um cheiro bom de vida
e nossos pés a ela estão ligados.
Deixa que teu cabelo, solto ao vento,
abrase fundamente as minhas mãos…

Mas, não: a luz escura inda te envolve,
o vento encrespa as águas dos dois rios
e continua a ronda, o som do fogo.

Meu amor, por que te ligo? Morte?

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter