OS “BOLSONARISTAS” NÃO ENGANARAM NINGUÉM.

Muita propaganda e pouca obra.

Os quiosques da orla da Praia do Forte foram construídos pelo ex-prefeito Alair Corrêa, em 1998, estimando-se “renovação informal” por dez anos. Em 2013 o então prefeito fez a “mega obra”, na qual os elevadores não funcionam e os banheiros são aquele horror que todos conhecem. Tudo ficou na propaganda!

Não é lugar de esgoto na rede de água pluvial.

Tudo leva a crer que as concessões se encerraram em 2018 e que existe a necessidade de nova licitação. Espera-se que as condições para os concessionários sejam bastante específicas e rígidas, afinal se trata de área pública específica e de rara importância.

Alguém explica?

Outra “pérola” da orla da Praia do Forte é a Praça da Cidadania, com mais de 200 boxes espremidos, que não vendem artesanato, mas toda sorte de badulaques. Alguém da prefeitura pode vir a público explicar, porque é o município, isto é, você e eu todo o povo, que paga a energia, a água e a limpeza?

Cara de palhaço. Pinta de palhaço!

Significa que os boxes são públicos, cedidos pela prefeitura aos concessionários, que ali deitam e rolam vendendo produtos das mais variadas origens, com lucros nada desprezíveis e o povo é que paga a conta de luz e água dos caras. Quem sabe ressuscitar Miltinho cantando “Palhaçada”: “cara de palhaço, pinta de palhaço ….”

Leitão bateu forte.

Na manhã de ontem, no Programa Sidnei Marinho, na Litoral News, Cláudio Leitão fez duras críticas ao secretário de fazenda Antônio Carlos Vieira e ao prefeito Adriano Moreno. O ex-secretário de educação afirmou acreditar que Adriano não consegue chegar ao final do mandato.

Adriano, voltando às origens.

Adriano Moreno está feliz da vida no Democratas, da Família Maia. Está voltando às origens, porque o então vereador nasceu no PP de Maluf, Dornelles e Alair Corrêa. O período na Rede Sustentabilidade deu a Adriano o verniz que precisava para permitir que figuras públicas progressistas e partidos como o PC do B tivessem justificativas palpáveis para apoiá-lo.

Os “bolsonaristas” não enganaram ninguém.

Mesmo na época era flagrante, dentro do grupo de Adriano Moreno, a hegemonia do “bolsonarismo” e a campanha foi feita dentro dessa perspectiva, dos padrões da ultra direita: acusações levianas, ataques pessoais, defesa da “moral e dos bons costumes”, a necessidade de erradicar a corrupção e “começar do zero” a política na cidade. Os “bolsonaristas” não enganaram ninguém!

PC do B quer eleger vereador?

A essa altura do “campeonato” o PC do B, que em suas alianças nacionais sempre repudiou o PP e o Democratas, não tem, no campo da luta política e da ideologia, nenhuma razão efetiva para manter o seu apoio ao governo municipal. Quer eleger vereador, em 2020? Para isso precisa de cargos no governo? Então que abra o jogo com a sociedade. A transparência não existe só para os outros.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

ESPAÇO TERAPÊUTICO TRANSVER

Aconteceu no último sábado a Oficina Terapêutica Inaugural de criação e autoconhecimento do novo espaço de Arteterapia e Psicologia, no centro de Cabo Frio.
Encantadas pelas diversas subjetividades, as arteterapeutas Claudia Morais e Jackie Reveles e a psicóloga Clarissa Leal resolveram se unir para montar o diferenciado Espaço Terapêutico Transver, com foco relacional, na construção de identidade e reorganização pessoal, através de terapia individual e de grupo. A partir de uma triagem especializada, o espaço oferece diferentes formas de abordagem que irão valorizar e atender às necessidades de cada um.
Além dos atendimentos, o coletivo oferece diversas oficinas e a primeira foi a de produção de estandartes, retratada nessas imagens.
Muitas novidades estão por vir.
Maiores informação através do Instagram @transver_terapias https://bit.ly/2NZm93R

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

DEMOCRATIZAÇÃO DA CULTURA.

A SAL (Sociedade de Artistas Livres) promete não esmorecer em seu processo de luta em defesa da democratização da cultura. Assim, não poderia deixar de lembrar e comemorar o Dia Nacional do Escritor, em 25 de julho.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

A FASCINANTE LOUCURA – Mardônio Gomes de Lima.

A fascinante loucura. Na verdade, a loucura me fascina. No fundo, todos temos medo de abandonar o que chamamos de “razão” sob o julgo dos chamados “razoáveis”. Mas o que é ser razoável? Qual seu padrão de razoabilidade? O que te condiciona a seguir as regras? O que te faz pensar que ser “louco ” ou cometer atos de loucura o faz marginalizar-se, transgredir-se ou desabonar tuas ações? Qual a condição que te leva à irresponsabilidade, loucura ou insanidade? Na verdade, há estudos sobre o comportamento humano desde que o homem foi condicionado a seguir suas primeiras regras sociais. Mas quem impõe esses padrões e quais suas finalidades e quem se beneficia com isso? Pois é. Isso é tão complexo quantos as leis que nos regem e ditam as regras sociais de nosso comportamento. No universo, ou multiverso, da loucura, as regras não existem. Ao mesmo tempo em que há uma introspecção a um mundo criado ou condicionado, não há como limitá-lo nem em intelecto, nem em possibilidades. O “louco” se torna fisicamente mais forte ou mais fraco à sua revelia, se dá salvo conduto para praticar o que seria condenável às regras formais e se defende no seu mundo particular onde ele é o senhor de suas próprias regras. A loucura é, deveras, fascinante e apesar dos parâmetros e mapas e teorias desenvolvidas tanto no campo científico, psíquico, médico quanto no campo abstrato (religioso e filosófico), não se tem cura, pois não é doença. É uma condição humana. O homem tem, geralmente, o instinto de ter medo do desconhecido. Eu me fascino por ele!! Costumo aprender muito com os loucos!!! Muitas vezes são mais certos do que eu.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

SINDICATOS EXIGEM SALÁRIOS EM DIA!

A reunião de hoje no Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro é fruto de denúncia do Sindicaf, Sindsaúde e da Associação dos Fiscais Municipais (AFM), com pedido de reunião pra resolver essa situação de pagamentos de salários feitos depois da data limite prevista na Lei Orgânica Municipal. O Sepe Lagos participa como convidado.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

PRAÇA PORTO ROCHA, FEIA E MALTRATADA!

Dois pesos, duas medidas!

A calçada frente ao prédio do Charitas, feita na base do “embrulha e manda”, no governo de Marquinhos Mendes, após inúmeros apelos da Asaerla e desse blog, está precisando muito de reparos. O governo foi rápido para desocupar o Charitas, mas de uma incrível lentidão para consertar uma calçada: dois pesos, duas medidas!

 “Oscar da feiúra”

Quando vai aparecer uma “alma caridosa” da República do Edifício das Professoras, que faça uma grande reforma na histórica Praça Porto Rocha? A praça vem sendo destruída por seguidos governos e ganhou o “Oscar da feiúra”, no final do governo Marquinhos Mendes. No governo seguinte, de Alair Corrêa, sob o olhar complacente da Guarda Municipal, a reforma fajuta foi ainda depredada.

Qualidade de vida!

O Centro Médico Victor Rocha, localizado em frente ao Hospital Santa Izabel, na Rua Barão do Rio Branco, tem escada, rampa e jardim bem cuidados. Falta, porém corrimão de acesso: o número de idosos, cadeirantes e pessoas com deficiência, que ali transitam é grande. É preciso melhorar a qualidade de vida das pessoas.

De Aldeia Velha para Cabo Frio.

Após cerca de dez dias descansando em seu refúgio, no distrito de Aldeia Velha, a ex-secretária municipal de cultura, Meri Damaceno, está em Cabo Frio. A memorialista cabofriense, que muitos pensam ser vegana, foi vista traçando uma bela carne assada, em restaurante no centro da cidade.

Inelegível, mas não imóvel.

Apesar de estar inelegível, após a decisão da câmara de vereadores, o ex-prefeito Marquinhos Mendes, continua alimentando a perspectiva da candidatura, em 2020. Muitos atribuem à insistência, a necessidade de manter o seu grupo político unido e capaz de influenciar a sucessão no próximo ano.

Encontros & Desencontros.

Entre tantos encontros e desencontros da vida política e social cabofriense os “promoters” devem sempre ficar atentos. Não será interessante convidar para o mesmo jantar o ex-vereador Rui Machado e o ex-prefeito Marquinhos Mendes. Efeito da histórica sessão da câmara que tornou Marquinhos Mendes inelegível.

O grupo de Marquinhos pode se fragmentar.

O grupo do ex-prefeito Marquinhos Mendes, ao longo do processo, pode se fragmentar e se subdividir em três subgrupos: aqueles que apóiam o lançamento da esposa do ex-prefeito; os que defendem o apoio a reeleição de Adriano Moreno e os que querem a candidatura do presidente da câmara, Luis Geraldo Azevedo.

Xadrez eleitoral de 2020.

Correndo por fora está o ex-prefeito José Bonifácio Novellino, que claramente procura não se desgastar com as “bolas divididas” da política local. Segundo um atento observador da política de Cabo Frio, José Bonifácio precisa consolidar seu nome em Tamoios para ser uma peça decisiva no xadrez eleitoral, de 2020.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

COMO UMA ANDORINHA.

A senhora acorda cedo e caminha. Ainda há pouca gente pelas ruas e por isso elas ficam maiores. No meio do dia os carros, os ciclistas e os meninos voltando da escola tornam o caminho estreito e dificílimo para essa senhora fazer sua lenta caminhada sem inquietações.

Logo quando a firmeza esvaiu-se das pernas ela chorou. É que as coisas das quais mais sentimos falta quando perdemos são aquelas que menos nos apercebemos quando fazemos. Contudo como as lágrimas são finitas e a vida não é uma linha reta, no dia seguinte ela resolveu seguir as orientações e reaprender a andar através de exercícios, alongamentos e muita paciência.

Começou dentro do quintal onde admirava os próprios pés e para cada passo acendia um sorriso. Com poucos meses ganhou novamente as ruas durante o cedo das manhãs. Agora a lentidão lhe provera com a habilidade de perceber pequenos detalhes: a flor amarela do capim, a barata esmagada no asfalto, o número 42 a mostra na sola do sapato abandonado sobre o meio-fio. Poder andar novamente era uma verdadeira dádiva!

Para alguns ela era uma senhora antipática. Isso porque demorava para devolver um cumprimento. Precisava estacionar-se, levantar a cabeça, direcionar o olhar, aprontar o sorriso e acenar. Tantas vezes a outra pessoa já tinha ido porque estava sem tempo.

Quando voltava das caminhadas sentava-se na varanda e observava as andorinhas. Esses pássaros que voam – porque voar é bom! – com a cabeça virada olhando as próprias asas. Então, ria alto essa senhora que não voava, mas que ao andar sentia um prazer de andorinha.

Rafael Alvarenga

Cabo Frio, 24 de julho de 2019.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

O GOVERNO QUER CALMARIA E BOAS NOTÍCIAS. TERÁ?

Janio e os vereadores.

O ex-deputado Janio Mendes continua trabalhando política pelo interior do Estado do Rio. No início da semana compareceu ao Café per Tutti, no centro de Cabo Frio, acompanhado pelos vereadores iguabenses Paulo Ritto e Marcilei Lessa, que deve ser o próximo presidente da câmara.

Manifesto da SAL.

Como qualquer pessoa de bom-senso poderia imaginar a desocupação do Charitas continua repercutindo. A SAL (Sociedade de Artistas Livres) lança manifesto, sob a forma de vídeo, protestando contra a criminalização dos líderes do “Ocupa Charitas”: Filipe Campos, Ravi Arrabal, Taz Mureb e Yuri Vasconcellos.

Sepe & Ministério Público

O Sepe Lagos tem reunião no Ministério Público Estadual (MPE-RJ), amanhã, quinta-feira, 25, às 14 horas. Assuntos: salários atrasados na rede pública municipal e desvio de finalidade de 40 milhões de reais das chamadas ‘verbas carimbadas’ da Educação. Muita água ainda vai passar embaixo da Ponte Feliciano Sodré, no velho e bom Canal do Itajuru.

Qual o caminho a seguir?

O ex-secretário municipal de educação Cláudio Leitão ainda não decidiu que caminho político-partidário seguir. Sua preocupação no momento é deixar muito clara a natureza de sua participação como membro do primeiro escalão do governo Adriano Moreno, com a presença da subsecretária, Denize Alvarenga.

Calmaria e boas notícias.

O governo de Adriano Moreno está brigando por uma pauta de boas notícias e calmaria na política sindical. A renegociação de pendências, tanto com fornecedores, como com os sindicatos, vai ficar mesmo nas mãos de Clésio Guimarães Faria. O pessoal ligado ao capital financeiro vai ficar “quarando”, enquanto aprende a lidar com finanças públicas.

Sem salários não tem jeito.

A calmaria tão desejada pelo governo só vai mesmo acontecer quando o governo fizer uma tabela, ao menos até o final do ano, para pagamento de salários. Impossível ter uma câmara tranqüila, mesmo com maioria, se os servidores não estiverem com os salários em dia. A eleição é logo ali, em 2020, e os vereadores querem a reeleição.

Enquanto isso, em Búzios.

O judiciário não tem mesmo o menor respeito pelo povo de Búzios. Ontem, em mais uma decisão, André Granado voltou a sentar na doce cadeira (ou será poltrona) de prefeito. É um entra e sai que impede qualquer política pública conseqüente, prejudicando em muito a imagem da cidade e a sua população. O judiciário parece não perder a oportunidade dar vexame.

Boulevard Bohemio.

Empresários e prefeitura, através da secretaria de turismo, tentam reabilitar e melhorar a imagem do Canal do Itajuru, no trecho que engloba o ‘Boulevard Canal’ e a ‘Orla Scliar’, isto é, bairros do Centro e São Bento. O evento, “Boulevard Bohemio” (com h é sempre mais chique) espera dar novo glamour a uma região que foi o “point” de encontro da cidade.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

SER OU NÃO SER?

A inelegibilidade do ex-prefeito Marquinhos Mendes provocou a corrida de muita gente do seu grupo político ao gabinete do presidente da câmara, Luis Geraldo Azevedo. Para amigos o vereador disse reservadamente que o assunto não faz parte de suas preocupações imediatas e que só vai se ocupar da questão no ano político-eleitoral de 2020.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

A DESCOBERTA DA VELHICE – Zuenir Ventura.

Como não brinco o carnaval, brinquei de registrar alguns sinais que o passar do tempo, cada vez mais rápido, deixa na gente. São flagrantes da série sobre a descoberta da velhice. Ei-los:

— Você descobre que está ficando velho quando já é há muito tempo e acha que “está ficando”.

— Você percebe que está velho quando se lembra da época em que acompanhava desfiles de escola de samba em pé, na beira da pista, durante 14 horas seguidas, e hoje cochila vendo pela televisão já na primeira meia hora de transmissão.

— Você desconfia que seu gosto envelheceu quando acha “La la land” engraçadinho, mas meio chatinho, e quase todo mundo adora, inclusive Elio Gaspari.

— Você tem certeza de que sua opinião não vale mais nada quando se escandaliza com a violência selvagem dessas lutas de MMA, agora para mulheres também. Gostaria de saber o que as neofeministas acham desse empoderamento. São brigas ferozes que atraem milhares de pessoas aqui e lá fora para aplaudir rostos deformados por socos e pontapés, e para depois reclamar da “insuportável violência urbana no mundo moderno”.

— Você suspeita que está mais pra lá do que pra cá quando alguém, com certeza esperando o pior, te olha e, surpreso com o que está vendo, diz em tom de consolo: “Mas você está muito bem!”

— Você sabe que está démodé não só por usar essa palavra, mas também por não concordar com a visão dos mais jovens de que o Brasil está conservador e careta em termos de costumes, enquanto debatem e até mostram suas intimidades na internet e na televisão. Querem muito mais do que apenas discutir, por exemplo, quanto tempo o homem leva para uma segunda rodada na cama. Querem demonstração prática.

— Você se sente um objeto não identificado, quando nos acham estranhos porque nascemos antes do e-mail, do WhatsApp, do Facebook, do Twitter, da comida congelada, da penicilina, das fraldas descartáveis, da Gisele Bündchen, do cartão de crédito, da pílula, das canetas esferográficas, do radar, das máquinas de lavar pratos e das equipes econômicas, que nos consideram improdutivos.

— Em compensação, você acha que valeu a pena chegar à velhice ao ouvir seu neto Eric, de 4 anos, discorrer sobre a importância da “Lua no sistema sideral”. E assistir à sua irmã, Alice, de 7 anos, anunciar que está escrevendo um livro e, mesmo antes de terminá-lo, querer saber como faz “para entrar na Academia” — não a de ginástica, mas a Brasileira de Letras.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter