QUE MISTÉRIO RONDA A SECRETARIA DE FAZENDA?

Tranqüilidade passageira.

Apesar de paralisações freqüentes o governo de Adriano Moreno vive período de relativa tranqüilidade, embora a previsão seja de raios, trovoadas e chuvas pesadas: afinal, prefeitura sem salários em dia, não tem períodos muito longos de sossego.

Por água abaixo!

Todo o esforço no sentido de construir maioria na câmara de vereadores pode ir “por água baixo”. Caso a prefeitura não conseguir colocar os salários do funcionalismo em dia e ao mesmo tempo melhorar as relações com os sindicatos, a situação tende a se agravar.

O “abacaxi” é a secretaria de fazenda.

O governo, apesar da aparente tranqüilidade, tem grande dificuldade para se estabilizar e as dificuldades parecem ter endereço, na Rua Major Bellegard, isto é, secretaria de fazenda. Ninguém parece querer pegar o “abacaxi” e por enquanto o secretário Antônio Carlos Vieira vai ficando por lá.

Ninguém quer assumir o “abacaxi”

A idéia do governo é blindar Antônio Carlos Vieira transferindo-o para a secretaria de assuntos institucionais, mas o grupo original de Adriano Moreno não tem conseguido encontrar um nome para substituí-lo. Até o momento o professor e empresário Clésio Guimarães Faria ainda não aceitou oficialmente o cargo.

Qual o mistério?

Existe ainda a possibilidade de Clésio aceitar assumir a secretaria de fazenda a partir de 1º de agosto, mas nada concretamente definido. Outros nomes foram sondados e não aceitaram o cargo. Que mistério ronda a secretaria, que ninguém quer assumir posto tão importante?

Dificuldades para resgatar compromissos.

Mesmo a câmara, que tem tentado mediar à crise do governo Adriano Moreno está preocupada. O recesso não para as articulações políticas e elas deixam claro as imensas dificuldades, que o governo está tendo para cumprir seu calendário de compromissos.

Febeapá Buziano – 1.

O “Samba do crioulo doido”, de Stanislaw Ponte Preta, pseudônimo do grande jornalista e escritor, Sérgio Porto, seria “fichinha” diante da confusão e balbúrdia que o Judiciário acabou por estabelecer em Búzios, prejudicando seriamente a população.

Febeapá Buziano – 2.

Nunca se sabe exatamente quem é o prefeito, se Henrique Gomes ou André Granado e no meio da confusão é o povo que apanha. Stanislaw Ponte Preta bem que poderia, entre um e outro whisky, psicografar os seus Febeapás: ao menos iríamos rir muito da cara dos juízes e políticos.

A PREFEITURA CONSEGUE A REINTEGRAÇÃO DE POSSE DO CHARITAS. – O protesto dos artistas.

A crise na secretaria municipal de cultura com a exoneração da memorialista Meri Damaceno e a nomeação do cineasta Milton Alencar Jr. ganhou mais um capitulo. A prefeitura de Cabo Frio conseguiu, através de medida judicial, a reintegração de posse do Charitas, realizada ontem por cerca de vinte homens da Polícia Militar, sob protesto dos artistas. Os artistas, entre outros atos, abraçaram o histórico prédio.

NÁUFRAGOS TRAÍRAS.

A ex-secretária municipal de cultura, Meri Damaceno, publicou na noite de ontem no Facebook, o texto denominado “Náufragos Traíras”, fazendo duras críticas ao grupo em torno do prefeito. Adriano Moreno mais uma vez foi poupado de críticas mais severas.

NÁUFRAGOS TRAÍRAS.

SERGIO, MIGUEL E RICARDO.
S.O.S. CUIDADO!
RIBAMAR, ALENCAR E VARELLA.
ESTÃO SEM REMO, RUMO E SEM VELA
VARELLA, ALENCAR E RIBAMAR.
O BARCO COMEÇOU AFUNDAR.
MIGUEL, RICARDO E SERGIO.
NO MAR VEREADOR 
NÃO TEM PRIVILÉGIO
SERGIO RIBAMAR E MIGUEL.
O NAUFRÁGIO É CASTIGO DO CÉU.
VARELLA, ALENCAR E RIBAMAR.
ESPERO QUE SAIBAM NADAR.
ALENCAR, RIBAMAR E VARELLA.
JÁ QUEBROU A POPA,PROA E A VELA.
RIBAMAR, VARELLA E ALENCAR.
S.O.S. VAI AFUNDAR.
VARELLA, ALENCAR E RIBAMAR 
A TITICA COMEÇOU A BOIAR.
ADRIANO NÃO NADOU DIREITO.
VAI AFUNDAR PREFEITO!
OUVIRAM GRITOS ESQUISITOS.
DE QUEM CAIU NA ESPARRELA.
ALENCAR, RIBAMAR E VARELLA.
NÃO É ESTÓRIA DE PESCADOR 
FOI MERI QUE ME CONTOU
ELA NADOU, NADOU, NADOU
MAS COMO É MUITO AGUERRIDA
SE SALVOU DE CABEÇA ERGUIDA.

ESPAÇO TERAPÊUTICO TRANSVER

Aconteceu no último sábado a Oficina Terapêutica Inaugural de criação e autoconhecimento do novo espaço de Arteterapia e Psicologia, no centro de Cabo Frio.
Encantadas pelas diversas subjetividades, as arteterapeutasClaudia Morais e Jackie Reveles e a psicóloga Clarissa Leal resolveram se unir para montar o diferenciado Espaço Terapêutico Transver, com foco relacional, na construção de identidade e reorganização pessoal, através de terapia individual e de grupo. A partir de uma triagem especializada, o espaço oferece diferentes formas de abordagem que irão valorizar e atender às necessidades de cada um.
Além dos atendimentos, o coletivo oferece diversas oficinas e a primeira foi a de produção de estandartes, retratada nessas imagens.
Muitas novidades estão por vir.
Maiores informação através do Instagram@transver_terapias https://bit.ly/2NZm93R

ESPINHA NAS COSTAS – Rafael Alvarenga.

A moça está bastante descrente da vida. A maioridade, o trabalho e a casa independente de nada valem agora. Amanheceu com uma enorme espinha nas costas. Pode senti-la. Mas não pode tocá-la, tampouco espremê-la. Está lá aquela inchação inflamada. A moça abraça a si mesma. Lança as palmas das mãos com os dedos esticados, porém, ainda assim não a alcança. A espinha arde, debocha. Faz brilhar seu cocuruto de pus.

Desesperada ela puxa a própria pele desejando rachar a espinha. Sente um ódio violento! Chega a praguejar a própria emancipação. Onde está a mãe que não ajuda? E esse julho maldito? Ensolarado e sem vento! Se contorce diante do espelho. Quer olhar no olho desse inimigo ciclópico. Desse parasita que lhe açoita a epiderme e a beleza. Espinha covarde! Nascida nas lonjuras setentrionais do meio das costas.

Não pense o leitor que essa é a primeira espinha da moça. Já teve outras com as quais sempre travou franco combate. Entretanto essa é como um inimigo que das sombras cavernosas de um facebook critica e destrata protegido pelas nuvens cibernéticas.

A moça não consegue almoçar. Descansar é impossível, pois para isso seria necessário dormir com o inimigo. A ira cresce a cada unhada desfechada contra si mesma. Enfim, toca o interfone. É a amiga que veio socorrê-la. Ao sentir que unhas alheias provocavam a erupção forçada do oponente, seu ser foi todo um sentimento de alegria e triunfo.

Pronto! Imediatamente voltou a falar da maravilha que é a maioridade, o trabalho, a casa independente. É que o ser humano, às vezes, precisa somente de uma espinha para mudar.

Rafael Alvarenga

Cabo Frio, 15 de julho de 2019

O PARLAMENTARISMO TUPINIQUIM.

Parlamentarismo tupiniquim.

As seguidas crises do governo de Adriano Moreno vão paulatinamente colocando a câmara como protagonista do processo político no município. Os vereadores da base ampliam seu espaço e até mesmo a oposição belisca o poder: quase chegamos ao parlamentarismo tupiniquim.

Para sair da crise

O governo de Adriano Moreno parece enfrentar, ao menos aparentemente, com bastante moderação os movimentos de paralisação, de diferentes categorias do funcionalismo público. Como disse um velho observador político: “para sair da crise e ter algum prognóstico favorável no campo eleitoral, só pagando em dia o funcionalismo.”

Pessimistas X Otimistas

Para alguns céticos o governo da dupla Adriano Moreno e Antônio Carlos Vieira “deu o que tinha que dar”, ou seja, “bananeira, que já deu cacho”. Para outros, entretanto, o governo apesar das inúmeras barbeiragens, ainda tem chance e Adriano deve disputar a reeleição.

Governo pode ganhar fôlego?

Analistas acreditam que a prefeitura de Adriano Moreno tem pouco tempo para dar certo e melhorar sua imagem pública: afinal, a eleição está logo ali, em 2020 e até agora, nada. Como Marquinhos Mendes está inelegível é possível que o grupo do ex-prefeito dê algum fôlego a Adriano.

Cabo Frio não é um oásis.

Caso o governo não acerte, a tendência é boa parte da base, tanto no executivo, quanto no legislativo, sempre de olho nas pesquisas, qualitativas e quantitativas, “pedir o boné” e “amarrar o burro em outra cancela”. É assim que as coisas acontecem tradicionalmente na política brasileira. E Cabo Frio não é um oásis em meio ao deserto.

Crime contra a natureza

A Praça dos Quiosques é por si só um crime contra a natureza: brega e mal acabada, forma com a Praça da Cidadania e o Parque das Águas, um conjunto urbanístico, que não honra a orla da Praia do Forte. Jogar esgoto na rede de águas pluviais é demais: multa, interdita e caso não se faça a adequação, cassa a concessão.

Fábricas de votos.

Alair Corrêa, Marquinhos Mendes e o próprio Adriano Moreno usaram das concessões de áreas públicas como verdadeiras fábricas de produção de votos. Muitos “cabos eleitorais” construíram suas vidas comerciais e financeiras com base nesses privilégios. Colocar essa turma dentro das normas e das leis é bastante complicado e difícil.

Quadrilha na Praça Tiradentes

Os professores continuam em greve e agora aliados aos artistas da SAL – Sociedade de Artistas Livres, que ocupam o prédio do Charitas. Os dois grupos se uniram, na manhã de ontem, na Praça Tiradentes, em frente à prefeitura, para um protesto bastante animado: teve até quadrilha!

SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA – Eduardo Monteiro.

Verdade que sou contra a reforma da previdência, principalmente da forma que ocorreu. Não espero milagres de um projeto que exclui todas as classes mais abastadas (judiciário e legislativo), praticamente sem regras de transição e sem explanação de valores reais.
O público e privado tem diferenças. O público tem estabilidade de emprego, 14°, triênios, licença-prêmio. O privado não tem nada disso. Como fazer uma reforma em tão pouco tempo, sem base financeira?
Por isso essa reforma deveria ser encaminhada em paralelo com a reforma tributária. Essa é a reforma que dará parâmetros de receitas futuras para “bancar” a previdência, salários, investimentos, ou seja, o futuro.
Separar os dois projetos foi um erro incorrigível.

O ENIGMA DA ESFINGE.

“Chorando pitangas”

O ex-prefeito Marquinhos Mendes estrelou o Programa Sidnei Marinho, na Litoral News e apesar de não se dizer derrotado, “chorou pitangas”, quase nos ombros do apresentador. O ex-prefeito continua prometendo novidades.

O “enigma da esfinge”

Impedido de ser candidato a prefeito de Cabo Frio por conta da derrota política, que sofreu na câmara, Marquinhos Mendes acaba por se transformar na “esfinge” da política local. A quem caberá desvendar o “enigma da esfinge”?

“Cabo eleitoral”

Considerado por alguns analistas políticos proprietário de considerável embornal cheio de votos, além de apreciável desgaste, Marquinhos Mendes pode se tornar grande “cabo eleitoral”, nas eleições de 2020. Existe ainda “muita água a passar embaixo da ponte”, inclusive a “Feliciano Sodré”.

O governo deu uma “banda” em Marquinhos.

Importante notar, que apesar grande número de aliados de Marquinhos Mendes estarem em importantes cargos comissionados no Palácio Tiradentes e periferia, o governo de Adriano Moreno contribuiu para que o ex-prefeito fosse alijado do processo político-eleitoral, em 2020.

Tudo é possível na província.

O governo de Adriano Moreno, porém, não agiu só, contou com a “inestimável participação” do deputado Sérgio Costa Azevedo, que tinha nas mãos dois votos que contribuíram para que o ex-prefeito fosse alijado das eleições de 2020. Quem sabe terá sido o troco do ex-vereador Alfredo Gonçalves: tudo é possível na província.

Os “sheiks”.

Durante muito tempo Alair Corrêa e Marquinhos Mendes formaram sólida aliança e também brigaram muito em Cabo Frio. Alair e Marquinhos nadavam em royalties, verdadeiros “sheiks do petróleo” e transformavam quase tudo em voto: os áureos tempos acabaram.

Os “reis nus”

Quando a Bacia de Campos se tornou “madura” e o preço do barril de petróleo, no mercado internacional, sofreu grande redução, os “sheiks” perderam a túnica, os votos e a credibilidade como administradores. O modelo de governar, praticamente idêntico, revelou-se um rotundo fracasso, deixando os “Reis Nus”, aos olhos da população.

O modelo é podre!

O problema é que o faustoso modelo criado no tempo da fartura não resiste a temporada de “vacas magras”. Não tão magras assim, mas a herança dos ralos administrativos e financeiros e dos seguidos desmandos, persiste: mudaram algumas figuras, mas na essência a Corte permanece a mesma. O modelo é podre e com ele não dá para governar.

O espanto de ‘Cecé de Jairinho’

O ‘Café per Tutti’ recebeu ontem uma enxurrada de gente preocupada com a cidade e querendo novidades. Entre eles o ex-deputado federal Paulo César Guia, que ficou espantado com a atuação e até mesmo a desenvoltura de Marquinhos Mendes, na Litoral News.

O “Saradão”

Na lanchonete e restaurante “Saradão”, na Travessa Maçônica, ao lado da câmara, o secretário de cultura, Milton Alencar Jr. almoçava com um grupo de amigos e aliados políticos. Não pareciam estar conversando sobre a crise no setor. Ah! A comida é muito boa!