PRECONCEITO É NEGAR O PRECONCEITO

Ângela Maria Sampaio de Souza

“Existe uma história do povo negro sem o Brasil. Mas não existe uma história do Brasil sem o povo negro.”

Dia 20/11 – Dia da Consciência Negra.

No Brasil e em outros países que utilizaram a mão de obra escrava, o racismo aflora, isso principalmente da colonização e da escravidão.

Podemos observar que o homem, ser humano é uma criatura estranha.

Todas suas ações são motivadas pelo desejo, assim pode nascer o conflito racial.

Não podemos libertar um povo, sem antes nos libertarmos da nossa própria escravidão.

É preciso que compreendamos que não existe liberdade sem igualdade e a igualdade de direito, política, social e econômica ainda não possuímos.

Muitos dizem que não há preconceito racial em nosso meio nos dias de hoje. Podemos até chamar essas pessoas de alienados!

A maior expressão do preconceito racial no nosso país está justamente em negar esse preconceito.

Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, a alma, a guerra estará presente.

Acredito que não há mais lugar para isso, não faz diferença nenhuma de que cor nós somos.

Somos todos seres humanos!

Sei somente que somos alma!

Não precisamos ser negros para lutarmos contra o racismo, precisamos ser humanos!

O Dia da Consciência Negra é um dia para lembrarmos e valorizarmos a importância de um povo que contribuiu para nosso desenvolvimento e para nossa cultura.

Temos que reconhecer e valorizar portanto a luta desse povo e suas contribuições para nossa sociedade.

Devemos refletir sobre esse problema e procurar meios de combater esse racismo e essa desigualdade social.

O racismo estrutural estabelece barreiras para grupos que sofrem preconceitos tornando nossa sociedade mais desigual.

Hoje uma das maiores estruturas do racismo em nossa sociedade é a política do “ deixa morrer”.

As consequências de um país estruturado a partir dessa segregação, expressam em diversos índices e indicadores sociais como os negros e pardos piores índices de renda, moradia, escolaridade, serviços etc

Temos que reagir, lutar para que essa população negra seja reconhecida não pela cor da sua pele, mas como seres humanos. Ninguém nasce odiando outra pessoa pela sua cor de pele, por sua origem ou por sua religião. Para odiar as pessoas precisam aprender, e se podem aprender elas podem ser ensinadas a amar. (Nelson Mandela) Temos que chegar o dia de comemorarmos o Dia da Consciência Humana!

Ângela Maria Sampaio de Souza é Professora.

Compartilhe:
Instagram
0Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *