SALVEM AS BALEIAS

By: Marcelo de Paula – fotógrafo/cineasta Código Solar Produções

marcelodepaula.codigosolar@gmail.com

Está chegando à época de avistamento de Baleias Jubartes e outras espécies de baleias em Arraial do Cabo. É o ciclo de movimento natural desses mamíferos marinho que viajam do Polo Sul até às aquecidas águas de Abrolhos, na Bahia. Justamente quando navegam bem próximas ao litoral de Arraial, passando inclusive pelo canal entre a Prainha do Pontal e a Ilha do Farol.

É um dos seres gigantes magníficos do Planeta Terra! Como a própria classificação científica diz, baleias são cetáceos, palavra que se origina do grego ketos e significa monstro marinho!

Nome bem apropriado para descrever a grandiosidade desses seres vivos, que impressionam não apenas pelo tamanho, mas pela beleza, sincronicidade do nado, inteligência e sociabilidade.

Não tem como não ficar emocionado ao vê-las, seja da segurança de um litoral ou bem próximas navegando e acompanhando-as em alto-mar! Impressionam até mesmo enquanto ossadas expostas em museus!

Mas é claro que vivas, nadando, saltando, exibindo suas longínquas caudas fora d´água ou em agudas conversas sonoras, impressionam e emocionam muito mais!

As baleias, esses belos exemplares de monstros marinhos, foram feitas para deslizarem na imensidão dos oceanos! E nunca deveriam sair de lá! Onde um encontro casual fosse um prêmio aos que se arriscam a navegar no além-mar!

Mas aí apareceu o homem e sua horripilante ganância comercial! E, de uns poucos esquimós e/ou habitantes das regiões extremas que caçavam baleias apenas para subsistência, surgiram as esquadras baleeiras e seus putrefatos arpões causando uma carnificina sem igual, ao ponto de deixar o mar banhando em sangue!

A carnificina das baleias foi inclusive a segunda grande motivação operacional da ONG Greenpace, na década de 70, que conseguiu atenção mundial e o veto à pesca comercial das baleias, que ocorreu uma década mais tarde. Diminuindo em muito a predação desses animais.

Hoje a Noruega, a Islândia e o Japão são os únicos que insistem com essa aberração comercial contra as baleias!

Groelândia, Alasca, St. Vincent Grenadines, Ilhas Faroé e a região de Chukotka, no leste da Sibéria oriental, praticam a caça de subsistência. Essas populações têm quotas regulamentadas e toleradas para caçar baleias, porque é parte do seu patrimônio cultural, uma herança tradicionaldessas regiões. 

Infelizmente, a morte por caça não é o único problema para a espécie! A ganância comercial foi ainda mais longe em seus atos abusivos e prendeu a beleza desses monstros marinhos em mínimos aquários turísticos!

Sim, me refiro a podridão da requintada prisão marinha, chamada Sea World!

Para quem não sabe, o processo inicial do Sea World foi caçando Baleias Orcas e aprisionando as mesmas em cativeiro e depois ensinando-as, sob péssimas condições aquáticas circenses, aos truques que tanto cativam seus visitantes!

O filme Blackfish, documentário disponível na Netflix é drasticamente libertador, para ninguém nunca mais deixar uma moeda, sequer, na prisão marinha que tortura esses magníficos animais ao deleite de atrativo turístico!

É de chorar as cenas que mostram as Baleias Orcas sendo retiradas do seu habitat natural, arrastadas por redes para o confinamento eterno do Sea World! Tanques mínimos os quais elas são obrigadas a ficarem após cada espetáculo! Não nadam, são depressivas e estressadas.

Os bonzinhos proprietários do Sea World reproduziram inúmeras baleias em cativeiro para aumentar o lucro do showbiznes! Uma verdadeira casa dos horrores! Sem falar nos vários ataques que tratadores sofreram e o Sea World escondeu do grande público!

O motivo de estar falando sobre tudo isso?! Simples! Voltamos ao velho tema ambiental de um único Planeta habitado por todos nós! E somos nós, os únicos seres capazes de lutar pela soltura dessas Baleias Orcas e demais animais marinhos dessa decadente atração turística. Basta nunca mais ou nunca, como é meu caso, pisar num Sea World da vida!

Deixar esse bárbaro showbiznes as minguas até que libertem a última Orca do cativeiro e deixem esses magníficos monstros marinhos a desfrutarem as imensidões dos Oceanos!

Espero quem muitos leiam o texto e muitos mais ainda assistam ao filme Blackfish, na Netflix, e boicotem as ordinárias apresentações do Sea World!

O boicote é uma arma poderosa e o Brasil ainda engatinha nessa filosofia!

No próximo sábado, volto com o tema de boicote! Boicote às empresas que andam exterminando ecossistemas inteiros, para que a produção de seus produtos nunca pare de dar lucros!

As baleias que cruzam Arraial do Cabo a caminho de Abrolhos, essas sim merecem nossa atenção!

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *