Quem assume?

O vereador Vanderlei Bento defende a abertura dos templos religiosos, mesmo com a pandemia do corona vírus, sem qualquer sinal evidente de controle. Caso o número de infectados aumente e pessoas venham a morrer, quem será responsabilizado? O vereador assume a responsabilidade?

Sugestão!

O vereador poderia assinar um termo se comprometendo a doar um respirador a cada paciente que adoecer por conta da reabertura dos templos religiosos. É muito cômodo fazer uma proposta desse nível, receber o bônus político e não arcar com as responsabilidades.

Pressões

O município tem uma administração frágil sujeita a toda sorte de pressões. Interesses menores do chamado ‘varejo da política’ não podem se sobrepor as questões maiores de combate a pandemia e defesa da coletividade. As razões apresentadas pelo vereador não convencem e se o vereador quer aparecer, existem outros métodos e formas.

A manada diminui – 1

A manada que apoiou o bolsonarismo nas eleições de 2018 está diminuindo em grande parte pela péssima gestão do governo federal em função da pandemia. As crises quase diárias também contribuem para reduzir a aceitação do governo, que parece viver do caos do enfrentamento contínuo.

A manada diminui – 2

Todas as pesquisas mostram a perda de apoio popular por parte do governo Bolsonaro, o caso dos deputados locais. Quem colou em Witzel, caso de Adriano Moreno e Antônio Carlos Vieira, o Cati também vai perder muito espaço político. Há quem aposte que Witzel não permanece no cargo por muito tempo.

Vovô Bibiu, psicografa

Quem apostou no bolsonarismo como meio de vencer as eleições municipais de 2020 poderá ter grande surpresa e virar a chacota da cidade. O Vovô Bibiu diria “vai dar com os “burros n’água”: o sábio do Obelisco da Praça Porto Rocha quando psicografa lá da eternidade não erra.

Rejeição!

A aliança de Aquiles Barreto, Marquinhos Mendes, Adriano Moreno e Antônio Carlos Vieira, mais conhecido pela alcunha de Cati pode resultar numa soma de rejeições, que inviabiliza qualquer candidatura. Essa conclusão atinge também as respectivas nominatas a câmara.

Bonecos da Nica

A atriz e artista plástica Nica Bomfim aproveita o recesso das gravações da novela, na Record e se dedica quase que integralmente a arte de fazer bonecos. O trabalho de Nica faz o maior sucesso entre os colegas.

OFÍCIO DA PALAVRA – José Eduardo Gonçalves (Organização)

O que move o escritor? Para responder a esta pergunta e tantas outras que gravitam em torno do ato de criação literária, nasceu o projeto Ofício da Palavra, em Belo Horizonte. Todos os meses, no Museu de Artes e Ofícios, o projeto promove um encontro aberto e gratuito do autor com o seu público. Com este livro intenso, revelador e cheio de boas histórias, o Ofício da Palavra traz agora uma primeira seleção de alguns dos melhores encontros realizados desde o seu início, em novembro de 2006.

São 11 autores que refletem o que há de melhor na literatura contemporânea em língua portuguesa: Luiz Ruffato, Milton Hatoum, Ferreira Gullar, Cristovão Tezza, Bernardo Carvalho, Silviano Santiago, Ignácio de Loyola Brandão, Daniel Galera, Maria Esther Maciel, Carola Saavedra e Gonçalo M.Tavares. São todos craques na arte de nos seduzir pela palavra.

Cada depoimento, editado especialmente para esta publicação, em ordem cronológica de apresentação, é um mergulho profundo no universo dos que vivem do ofício da escrita. Dos métodos de trabalho ao reconhecimento de influências, dos detalhes envolvendo a tessitura de um livro à relação com crítica e leitores, o que se expõe aqui é muito mais do que a biografia de escritores relevantes. Em seu conjunto, trata-se de um retrato raro e emocionante da literatura produzida hoje em nossa língua, na voz direta de seus protagonistas.

Vergonha!

Até o momento os dois deputados bolsonaristas não produziram nenhum conteúdo de importância para a população de Cabo Frio. São dois mandatos, que nada acrescentaram ao município, exceto a vergonha de apoiar Bolsonaro.

Caneta cheia de tinta

O deputado Mauro Bernardo desistiu de sua candidatura a prefeito de Cabo Frio, porque sua legenda, o PROS, está sob controle político do outro deputado bolsonarista. Está apoiando outro membro da Polícia Militar. O que a prefeitura de Cabo Frio tem para os bolsonaristas quererem tanto pegar a caneta cheia de tinta?

PT + PMDB

O vereador Aquiles Barreto, depois que anunciou a candidatura a prefeito de Cabo Frio, não largou mais das mídias sociais. O vereador migrou para o PT e conta com o apoio do PMDB, que é controlado, no município, pelo ex-prefeito Marquinhos Mendes, proibido de ser candidato pela justiça.

Lives com José Bonifácio

A realização de várias ‘lives’, com lideranças comunitárias, políticos e candidatos a câmara, tem marcado a presença do ex-prefeito José Bonifácio, nas redes sociais da internet. A coordenação de sua campanha está em mãos do vereador Rafael Peçanha.

Mentiras

A iniciativa da CPI da Fake News é do vereador Miguel Alencar e é um fato político marcante nesse período da pandemia. Caso queira realmente investigar os vereadores não terão tanto trabalho: a cidade não é tão grande assim e como diria o sábio Vovô Bibiu, “a mentira tem pernas curtas”.

O Democratas

O Democratas em Cabo Frio é presidido pelo ex-secretário de fazenda, o “assessor especial” Antônio Carlos Vieira, mais conhecido por Cati. O prefeito Adriano Moreno e o vereador Miguel Alencar, que foi secretário de governo, também carregam o andor na procissão da Família Maia e tem ainda o apoio do governador Witzel, que é do PSC.

Acordo selado?

Tudo leva a crer que o acordo entre os grupos de Adriano Moreno/Cati e Aquiles Barreto/Marquinhos será consolidado para a eleição municipal. Miguel Alencar, devido a sua proximidade com Aquiles, é o articulador?

A rejeição!

O grande problema para os dois grupos será enfrentar a imensa rejeição da opinião pública ao governo, acrescida das rejeições de Aquiles e Marquinhos. É rejeição que não acaba mais. Como contornar? Usando a máquina pública? Difícil, a crise fiscal agravada pela pandemia do covid-19 não deixa.

A crise!

O prometido “auxílio emergencial” do governo federal não vai chegar em cota única, mas dividida em três prestações. Ajuda, mas não resolve tudo. A crise está instalada e exige medidas duras como cortar na própria carne. Terá o governo condições políticas para gerir, com eficiência a crise?

Reflexões

Dá para pagar em dia o funcionalismo público, pensionistas, aposentados sem desinchar a folha de cargos comissionados, as velhas e muito conhecidas portarias? Como um governo impopular vai fazer isso e ao mesmo tempo ganhar a eleição e fazer uma boa bancada na câmara?

MARES INTERIORES – Correspondência de Murilo Rubião & Otto Lara Resende

Murilo Rubião, Otto Lara Resende, Cleber Araújo Cabral (Organização)

A organização, a descrição e o estudo da correspondência de Murilo Rubião e Otto Lara Resende têm por objetivo trazer a público as cartas que os escritores trocaram por mais de 40 anos (1945-1991). A edição desses documentos, obra do tempo de inegável valor literário, mas também histórico, visa atender aos leitores interessados no período da cultura e da literatura brasileira vivido pelos dois escritores. Além de apresentar feição pouco conhecida da obra de Murilo e de Otto (a de “carteadores”), o livro contribuirá para o conhecimento da vida pessoal, de facetas do processo de criação literária, das redes de convivência com escritores, intelectuais e políticos, bem como da linguagem e da cultura das épocas em que viveram.

Aprendendo com o pé de mato

A televisão está entupida pelos números da calamidade social. É o que vejo através do contraste oferecido pelas ruas desertas. Além disso, agora, ao sul do Equador, o inverno diz a que veio. Meu vizinho espirra e meus pés esfriam tão rápido quanto o chá de erva doce.

Frente a isso a prefeitura manda abrir o comércio. Se é para sair às ruas o povo devia seguir uma marcha de protesto exigindo mais auxílio social desses que tem a caneta e o papel. Somos jogados na cova dos leões! A história se repete, Daniel! Isso é o que nos ronda.

Entretanto, há algo de esplendoroso acontecendo. Infelizmente está restrito ao reino do natural. É a árvore do terreno baldio. Ela é grande e pertence à categoria do incógnito – sem dúvida medida pelo arco da minha ignorância. Parece com o mato que a rodeia. É um pé de mato que por motivos desconhecidos, cresceu, ganhou tronco e altura, fez sombra com o sol e barulho com o vento.

Hoje, reparei bem nela. Pois algo a destaca. Está inteiramente enfeitada como uma noiva feliz e brilhante. Milhões de pequenas flores estouram de todas as suas pontas. Agora esse grande pé de mato, transformado em árvore pelo tempo, reluz na manhã como a via láctea o faz a noite.

Me lembrei das notícias fúnebres da televisão. Das decisões sombrias da prefeitura. Do inverno que me ataca os pés. Em tanta escuridão e desamparo social, esse pé de mato veio brilhar prosseguindo seu curso natural. Nesse momento, penso que nós também devemos brilhar. Não podemos fazer tudo do mesmo jeito como sempre fizemos. Afinal, não somos um pé de mato e, diferente deste, podemos sim criar alternativas para nossos invernos e primaveras.

Pensar em soluções para as novas fronteiras éticas é uma tarefa humana. Porque diferente dos pés de mato, são os humanos quem fazem a sua hora, sem precisar esperar acontecer.

Rafael Alvarenga

A LATAM QUEBROU? – Eduardo de Vasconcellos (*)

O quê, a Latam quebrou? Não..!
Calma. Não é bem assim.
A Latam entrou hoje com pedido de recuperação judicial na Corte de Falências de Nova Iorque, o conhecido Chapter 11.
Entretanto, as operações do Brasil, Argentina e Paraguai ficaram de fora, como sendo as ‘partes boas’, não-contaminadas da operação global.
E o que acontece agora?
Bom, vai depender do eventual plano de reestruturação que a Latam venha a apresentar às autoridades americanas.
E enquanto isso?
Bom, enquanto isso, o BNDES vai injetar recursos, que já não estão dando sopa por aí, na ‘parte brasileira’, ‘boa’, da empresa.
Mas, pera aí! O plano de socorro às aéreas contempla também o socorro a empresas quebradas ou a suas partes e pedaços?
Se a Latam-mãe não ‘decola’, como fica a Latam-filha aqui, mesmo com a ‘little help’ do BNDES?
Eu, hein, nunca vi pedaços de aviões nem de companhias aéreas voarem!
Mas, como sempre, aí tem…

(*) Eduardo de Vasconcellos é Engenheiro.

Gabinete do Ódio

A CPMI das Fake News, no Congresso Nacional, investiga os componentes do chamado “Gabinete do Ódio”, situado dentro do próprio Palácio do Planalto. A investigação do STF, que tem como relator Alexandre de Moraes, está dando resultados mais rapidamente, mas vai alimentar a CPMI.

Boa iniciativa

Em Cabo Frio, a câmara instalou também uma CPI para apurar as “Fake News”. Boa iniciativa do vereador Miguel Alencar (Democratas). Dá publicidade a quem busca a reeleição, o que é o seu caso, criando um fato político, que pode ser relevante. Pode também acabar dando grande trabalho a aqueles que bolsonaristas ou não usam esses métodos.

Justa preocupação

Miguel Alencar é o “puxador de votos” da nominata do Democratas. Na campanha, se os candidatos a câmara associarem seus nomes ao governo Adriano Moreno/Cati poderão ser dragados pela imensa rejeição da atual administração. O vereador, que foi secretário de governo, deve estar preocupado.

Quais as saídas?

A queda na arrecadação é imensa e atinge estados e municípios por todo o país, Cabo Frio não é diferente e muito menos um oásis em meio ao deserto. Como resolver e manter em dia ou quase isso, o pagamento do funcionalismo municipal, que já sofre os efeitos da má administração dos “gênios da lâmpada”?

Pente fino

A solução está na cara: passar o pente fino em todas as despesas da administração direta e indireta e o “facão guarany”, nos cargos comissionados (portarias). Aí tem um “problemaço” para o governo, o ano é eleitoral. O prefeito ainda não jogou a toalha e os seus vereadores querem continuar sentados nas magníficas poltronas do Plenário Oswaldo Rodrigues.

Luis Geraldo: críticas a Guedes

O presidente da câmara, vereador Luis Geraldo, elevou o tom das críticas a fala do ministro da economia Paulo Guedes, na famosa reunião ministerial de 22 de maio. Ficou claro que o ministro não tem nenhum plano ou interesse para salvar da falência às pequenas empresas.

Grana, só para o sistema financeiro

Guedes é ligado à especulação do capital financeiro. Para o oligopólio dos bancos, logo no início da pandemia, liberou mais de 2 trilhões de reais. Para as pequenas e micro empresas, só merrecas e para os trabalhadores aquele pinga-pinga, em três parcelas, em filas intermináveis e humilhantes.

Feia & Depredada

Praticamente impossível encontrar um cabofriense que elogie o traço arquitetônico e urbanístico da “nova” Praça Porto Rocha. Reformada, tipo “embrulha e manda” em fim de governo pelo ex-prefeito Marquinhos Mendes, a feiúra da praça mais importante do município é uma unanimidade. Como tudo pode piorar, a praça está totalmente depredada e desfigurada.

Paraíso dos Cupins

O prédio histórico do Charitas, sede da secretaria municipal de cultura e do Museu José de Dome é hoje o “paraíso dos cupins”. É preciso mais cuidado com o prédio, restaurado no primeiro governo de José Bonifácio Novellino. Ah, a calçada em frente, esburacada, merece ao menos uma aguada de cimento.