APREENSÃO GERAL

Existe grande apreensão dos servidores e também aposentados e pensionistas em relação ao pagamento dos salários neste duro final de ano. O comércio, em crise aguda, sonha com dinheiro circulando na cidade, mas dificilmente a prefeitura de Cabo Frio irá cumprir com sua obrigação mínima: estar absolutamente em dia com os servidores.

DIVISÃO NO SEPE LAGOS

As assembléias do Sepe Lagos tem se transformado em “batalha campal” entre dois grupos que buscam controlar a entidade. O confronto, sem grande ou nenhuma nitidez política e ideológica, contribui para o esvaziamento das assembléias e enfraquece o sindicato perante o governo municipal.

SONHAR NÃO CUSTA NADA

O ex-prefeito Marquinhos Mendes ainda sonha em voltar a governar Cabo Frio, mesmo que seja no mesmo molde de Chiquinho, em Araruama. Apesar de tudo, o ex-presidente da câmara Aquiles Barreto, acredita na possibilidade de receber o apoio do ex-prefeito. Aquiles tem dito aos mais próximos que não é candidato a reeleição, só lhe interessa disputar eleições para prefeito.

DESGASTE POLÍTICO

O desgaste político de Marquinhos Mendes é muito grande e a votação na câmara, que ele tenta anular, refletiu esse quadro. A maior parte dos quadros que dispunha estão nas campanhas de José Bonifácio, Adriano Moreno e Rafael Peçanha, com compromissos assumidos e difíceis de serem rompidos.

APOSTANDO ALTO

O ex-prefeito tenta se manter como importante eleitor dentro de Cabo Frio, com ramificações em Arraial do Cabo. Existem dúvidas se Marquinhos Mendes ainda conserva grande cacife eleitoral. Seu último governo e participação no pleito, apesar de recomendações em contrário, o desgastaram bastante, mas ele continua apostando alto.

PRAIA DA BARRA OU PRAIA DO FORTE.

PRAIA DA BARRA OU PRAIA DO FORTE

Todos que amam a Praia da Barra ou Praia do Forte lamentam profundamente o estado de redução da faixa de areia, em especial na chamada orla do Malibu. A praia tem sido muito maltratada por todos os governos, sem exceção, mas sua beleza ímpar a faz resistir. Tomara que resista às constantes ressacas e dentro de alguns meses a situação esteja normalizada.

DEMAGOGIA A DAR NO PAU

A proximidade do ano eleitoral leva alguns políticos a fazer qualquer coisa para melhorar a imagem. Adriano Moreno com a camisa do Flamengo e Mauro Bernardo tapando buraco pessoalmente na rodovia são tristes exemplos de quem quer aparecer a qualquer custo. Quem sabe um dia, com aquela tal da melancia?

DEPRIMENTE

Alguns marqueteiros podem até dizer que esses gestos atraem primeiro a simpatia das pessoas e depois os votos dos eleitores mais desavisados. Até pode ter funcionado em outra época, mas de qualquer forma, funcionando ou não, é extremamente deprimente.

BYE, BYE CONCURSO
A professora Elicéa da Silveira deixou a secretaria municipal de administração. Mesmo os mais otimistas acreditam que agora dificilmente sai o concurso público. A professora Elicéa vinha trabalhando no sentido de organizar o concurso como marco de sua gestão.

CANDIDATA OU NÃO?

Empresária do setor imobiliário, a presidente da ACIA, Patrícia Cardinot, assume a presidência do Republicanos Mulher (antigo PRB). Segundo ela, seu objetivo é reunir no partido as principais lideranças femininas, em Cabo Frio e na Região dos Lagos. A pergunta é: a candidatura sai ou não sai?

DEQUE EM MAU ESTADO

O deque de madeira junto ao Canal do Itajuru, que alguns incautos chamam de Boulevard Canal, está em péssimo estado de conservação como madeiras podres e pregos soltos. Segundo uma assídua freqüentadora “não agüenta mais um Verão”. O interessante é que sofreu reforma há bem pouco tempo.

MÁ CONSERVAÇÃO!

A prefeitura de Cabo Frio via secretaria de turismo, vem fazendo campanhas seguidas, visando atrair turistas para a cidade. O problema é que os prédios históricos estão em péssimo estado de conservação, as áreas de lazer largadas e os buracos transformam as ruas em solo lunar. Todo o trabalho vai por água abaixo.

MELHORANDO A AUTO-ESTIMA

O Aloha Spirit bem que levantou a moral da cidade. Cabo Frio bem que está precisando melhorar a auto-estima e um evento dessa categoria melhora consideravelmente a imagem da cidade, hoje, praticamente uma praia da zona metropolitana do Rio de Janeiro. Entre outras coisas chamou a atenção para a Praia do Forte tão maltratada por nossos administradores.

RECUPERAÇÃO DA ECONOMIA

Foto: Marco Aurélio Abreu

RECUPERAÇÃO DA ECONOMIA – 1

Eventos como o Aloha Spirit são importantes para Cabo Frio recuperar o turismo mais qualificado e ao mesmo tempo desenvolver o esporte náutico na cidade. O comércio e todo o setor de serviços precisa se recuperar da profunda crise em que vive e nada melhor como um evento dessa natureza.

RECUPERAÇÃO DA ECONOMIA – 2

A prefeitura poderia dar inestimável ajuda à economia cabofriense se mantivesse sempre o salário dos servidores em dia. Estaria fazendo sua obrigação, diminuiria o impacto social e o dinheiro circularia com bem mais intensidade no município. Seria pedir muito o mínimo de responsabilidade social?

O GOLEIRO E O FRANGO – João Saldanha.

O GOLEIRO E O FRANGO

Posição ingrata é a do goleiro. Em todas as outras, não é raro aparecer o jogador jovem acabando com o jogo. No gol não dá pé. Para um goleiro fazer nome, são indispensáveis duas condições fundamentais: o amadurecimento do jogador e ganhar a confiança da torcida. Ambas excluem o goleiro recém-iniciado.

E não adianta pensar o contrário. No caso do amadurecimento do jogador é necessário que ele compreenda que está numa posição em que seu papel é apenas agarrar a bola e mais nada. Parece fácil para quem reúna as qualidades inerentes à posição. Mas acontece que o goleiro imaturo se preocupa em aparecer mais do que a realidade do jogo permite e cai do andaime ou então atravessa uma fase má.

É que muitas vezes o jogo não dá oportunidade ao goleiro de brilhar e só um goleiro cancheiro tem paciência para esperar pela outra partida. O garotão não espera. Sai da área e vai lá fora tentar aparecer, quer cortar centros em ângulo desfavorável, faz ponte para os fotógrafos, conversa com eles, enfim, por inexperiência, faz uma porção de coisas além da sua simples obrigação de agarrar a bola na sua hora. E a verdade, é que pouco adianta falar e ensinar porque é do próprio espírito dos jovem querer assaltar a lua logo que descobre a sua existência. Por enquanto, apesar dos progressos, isto ainda não está fácil. Pelo menos para os goleiros.

No outro caso, que é o de conquistar a confiança da torcida, a cana é mais dura ainda. O público só aceita o frango quando inclusive o goleiro reúne qualidades para engolir o galináceo com categoria, sem dar a impressão que ficou nervoso e pode engolir outros. Isto também é muito difícil que o goleiro jovem possa conseguir em meia dúzia de atuações por mais brilhante que tenham sido. Se na sétima partida vem o tal frango, a torcida implacavelmente berra que o cobra era um enganador.

É a típica posição onde a modéstia e a constância, aliadas às qualidades naturais de físico e reflexos, se transformam em leis invioláveis para o seguimento normal da mais dura carreira de jogador de futebol.

Se o Orlando do São Cristóvão, por exemplo, não entender bem isto, ele, que tem tudo para ir muito longe, pode, também, ir facilmente para o vinagre.

TUBARÃO PELÉ

Na esquina da rua Miguel Lemos, com Copacabana, Macaé (dono do biriba) discorria sobre a paixão brasileira por futebol. “Imaginem vocês que um dia nós estávamos no racha da praia quando a bola caiu dentro da água, mais ou menos ali onde dá pé na altura da barriga. Eu já ia entrar para buscar a bola quando vi, pertinho, um tubarão com aquela ponta de fora. Parei de estalo e pensei que o desgraçado ia rasgar a bola na ponta do bico e carregou ela lá pra longe. Eu só fiquei olhando a bola desaparecer na linha do horizonte.

Além de mim, estavam presentes as seguintes pessoas: Flávio Ramos, Benjamim, Lamana, Larry, Betovem, Washington e o italiano da banca de jornal. Eram duas e meia da madrugada de segunda-feira. Depois que Macaé contou o caso reinou o mais profundo silêncio e todos foram para casa dormir.

DO BURRO ATROPELADO À LUTA DO SÉCULO

Ontem aqui na página de esportes, publicamos uma fotografia do ex-campeão mundial de pesos pesados, George Foreman, carregando um bicho nas costas, como treinamento para uma luta contra cinco canadenses. O bicho é um terneiro “Hererford”, de duzentos e vinte e cinco quilos.

Francamente não vejo muita vantagem. O terneiro, ou bezerro, como chamam por aqui, está vivo e peso vivo é mais fácil de carregar do que peso morto. Vantagem faz um português que trabalha de ajudante no caminhão da carne que vem todos os dias (todos os dias, não. Em certas épocas o caminhão desaparece), trazer carne para o açougue aqui perto de casa.

O patrício carrega nas costas, com facilidade, um boi inteiro. Sobe e desce a escadinha do caminhão várias vezes e em vários açougues. O diabo é que não luta boxe e assim não terá seu retrato no jornal. É a triste sina dos carregadores de animais mortos. A propósito, lembro aquela história que corre na Limpeza Urbana: “Um dia ia o cidadão pela Rua Almirante Cockrane quando viu um burro ser atropelado e morto por um caminhão. Foi a um telefone, ligou para o LDU e disse “olha, tem um burro aqui que está morto na Rua Almirante…” mas ao tentar dizer o nome Cockrane embatucou e o funcionário mal-humorado berrou: “vá ver direito o nome da rua e depois dê a informação correta!” O pacato e exemplar cidadão foi. Meia hora depois voltou ao telefone: “Olha aqui é aquele cidadão…” e já o berro do funcionário: “qual cidadão? Ora pombas!” e o paciente cidadão disse: “É aquele… o do burro que morreu…” O funcionário perguntou: “Ah, sim, onde está o burro?” Veio a resposta: “O burro está na Rua Pareto”. O burocrata pipocou e berrou como de costume: “mas o senhor não disse que era Rua Almirante… não sei o que lá?” O cidadão com firmeza e já aborrecido respondeu enérgico: “Olha aqui ó gajo, era a tal Rua do Almirante, sim, mas era um nome muito difícil e levei-o para a Rua Pareto, está bom? Se quiser mande buscar o burro e se não quiser deixe-o lá. Pois dane-se, o burro é seu”.

O caso é que o George Foreman que treine de uma vez e o Cassius Clay também. Do contrário, a próxima luta que farão para decidir o título de campeão mundial será outra vez a luta do século. Mas não deste. A luta do século que vem.

MINHA VIDA É UM “FLASH”

DEMAGOGIAS EXPLÍCITAS

O deputado Mauro Bernardo foi para o asfalto, no Vinhateiro fazer de conta que estava resolvendo os problemas da população tapando três ou quatro buracos no meio da pista. Por outro lado, o prefeito Adriano Moreno que permitiu que a cidade fosse transformada em solo lunar tal a quantidade de crateras, posando para fotos em “operação tapa buracos”, na Avenida Júlia Kubitschek.

MINHA VIDA É UM “FLASH

Ambos, Bernardo e Adriano precisam entender que ser deputado e prefeito é muito mais que forçar uma barra para parecer que trabalham. O exercício da vida pública é bem maior que correr atrás de “flashs” para sair na mídia e tentar impressionar a população, procurando catar um votinho aqui outro acolá. É a tal “pequena política” que continua a grassar e fazer muito mal ao Estado do Rio de Janeiro.

INSATISFAÇÃO DENTRO DO MOVIMENTO NEGRO

Às manifestações entorno da moção de repúdio colocada pela vereadora Letícia Jotha contra Rafaela Fernandes é reveladora. Apesar de não ter sido aprovada a moção mostra a insatisfação de setores representativos do Movimento Negro de Cabo Frio e Região dos Lagos com a política pública conduzida pelo governo de Adriano Moreno.