DO CASULO A LIBERDADE!

A política anda bastante desanimadora, sob qualquer ângulo que a examinemos, mas sem ela como resolveremos os graves e complexos problemas do país?

A recente onda de extrema direita, que tenta fazer o Brasil e os brasileiros de reféns, acabou por gerar grupos de resistência democrática nas escolas, universidades e até mesmo empresas.

São jovens saindo dos seus casulos e redescobrindo a política como atividade transformadora, capaz de enfrentar o totalitarismo e apontar, mesmo com incertezas, novos caminhos.

O mais interessante que, passado o assombro provocado pelo crescimento da extrema direita, os jovens estão renascendo na atividade política pelo debate e defesa de todas as formas de liberdade.

Essa discussão antes monopólio de uma camada média, branca, urbana e formalmente letrada, digamos assim, incorporou campos mais vastos do pensamento.

As periferias jovens nas grandes e médias cidades, sob diferentes formas de organização, se tornaram, em muitas oportunidades o núcleo do novo, do experimental e da resistência as diferentes formas e organismos de repressão.

O livre e candente debate é que vai minguar ‘ovo da serpente’ e levá-lo para o seu lugar no abismo onde se encontra a lata de lixo da história.

PEQUENAS DOSES

Conselho do Fundeb.

Que as coisas não andam bem no governo de Adriano Moreno isso é público e notório, mas pode piorar. O Conselho do Fundeb reconsiderou o parecer de aprovação e agora, desaprova.

O caraminguá da educação.

O governo tem feito grande esforço político para inviabilizar as seguidas críticas na área de Educação. Segundo rumores de algumas paredes bem informadas os profissionais da educação vão receber na próxima sexta-feira.

No pé da câmara

O ex-prefeito Marquinhos Mendes não larga do pé da câmara, batalhando os votos necessários para que os vereadores não aprovem o parecer do TCE-RJ, que lhe é desfavorável.

Os acordos serão cumpridos?

Marquinhos Mendes está namorando e quase noivando com a dupla Adriano Moreno/Antônio Carlos Vieira. O governo tem a esperança que o ex-prefeito cumpra os acordos e não venha candidato em 2020, com liminar.

Derrotas políticas

O todo poderoso Antônio Carlos Vieira tem sofrido algumas derrotas políticas. O seu desempenho como secretário municipal de fazenda tem sido considerado, no mínimo, sofrível, criando imensas arestas e jogando o governo em uma maré de impopularidade, que joga qualquer plano de reeleição no lixo.

Tentativa de blindagem

Apesar das dificuldades o prefeito Adriano Moreno levou Antônio Carlos Vieira para junto de si, colocando-o como assessor especial. Há uma preocupação do governo em blindar o ex-secretário de fazenda, cada vez mais impopular em toda a cidade.

Queda de braço

Os bolsonaristas ganharam a queda de braço dentro do governo de Adriano Moreno. A que custo? O governo consegue superar em desgaste e rejeição os últimos mandatos de Alair Corrêa e Marquinhos Mendes. Depois da experiência com Adriano será muito difícil o “novo” chegar ao poder em Cabo Frio.

O refugiado!

O empresário José Martins, conhecido na cidade como o “Rei da Picanha” ou “Presidente do Senadinho” anda cada vez mais silencioso. Isso não significa que tenha deixado de atuar, apenas foge do que ele chama de “tralhas”, que não o deixam pensar o futuro da cidade. No momento, refugia-se em Campos.

Sabe Cabo Frio ….

O secretário de cultura Milton Alencar Jr. dentro das restrições orçamentárias impostas pelo governo está produzindo a sua equipe. Resta saber de quantos cargos vai dispor para montar a equipe. Esse dado será fundamental para o sucesso ou fracasso político da gestão. Sabe como é Cabo Frio ….

As perdas!

Esta semana a cidade perdeu o consultor imobiliário Claudinho Ferreira, uma das pessoas mais respeitadas e queridas de Cabo Frio e o ex-secretário de fazenda Gelcé Soares dos Santos, companheiro de muitas conversas, no Café per Tutti, no centro. Grande e fraternal abraço as suas famílias.

VENDO E VENDENDO – Rafael Alvarenga.

Sentada em uma cadeira de madeira ela quebra os ossos do frango e chupa o tutano. Cansada ao meio-dia. Mas a roupa está lavada e estendida no varal que pode ser visto de dentro da sala. A televisão noticia que há pessoas se manifestando na cidade. Não sabe o que é. Suspeita que algo esteja faltando, sido roubado ou ficado caro. Pode ser até alguma indignação diante de um tipo de morte.

Não dá para saber se é a televisão que não diz muito bem, ou se é a fadiga que não a permite compreender tão claramente. Há muitos jovens, a polícia e o sol. Uma moça dá entrevista. Atrás dela um rapaz segura um cartaz. Reclamam da prefeitura. Ela se levanta e raspa o prato lançando no quintal o que sobrou dos ossos. O vira-latas recebeu seu quinhão. Voltou para desligar o aparelho, porém desistiu ao ver, pelo monitor, sob a sombra de uma aroeira, seu neto, com a bicicleta de carga no descanso e a caixa de isopor com os salgados.

      O que você estava fazendo? Ela quis saber no fim da tarde, quando ele chegou a casa. Vendo e vendendo, respondeu o menino. Ela abriu a caixa. Estava vazia. O menino sentou-se para jantar. O vira-latas esperava pelos ossos. Cansada e encucada perguntou ainda: E o que você viu? Uma galera bolada com o prefeito que fez alguma parada sinistra de novo.

      Então ela foi até a porta e olhou para a rua esburacada. Demorou a acostumar as retinas ao escuro dos postes sem luz. Fungou o nariz frente ao mau cheiro do esgoto aberto. E pela primeira vez naquela vida já idosa e amarga falou com rebeldia: Sinistro tá isso aqui. A gente devia era ficar bolado também.

Da porta voltou para a cozinha onde fazia os salgados e procurou a farinha. Amanhã o menino sairia cedo para vendê-los novamente.

Rafael Alvarenga

Cabo Frio, 01 de julho de 2019

TRAIDORES OU INCOMPETENTES? AS DUAS COISAS?

Cada povo tem suas próprias características influenciadas por sua história e vivência cultural. Uma dessas características mais emblemáticas é a rejeição a qualquer forma de traição ao grupo.

Por essas e muitas outras quando alguém muda sua posição política e ideológica de forma abrupta, alegando pragmatismo, governabilidade e assim por diante, não é perdoado pelo povo. Até a “casa” que o recebeu fica ressabiada

 A deslealdade com a sua própria história e dos seus é imperdoável. Até hoje o ex-presidente e renomado sociólogo Fernando Henrique Cardoso é cobrado pela frase “esqueçam o que escrevi”: estava rasgando sua própria história? Lula até hoje responde pela “Carta aos Brasileiros”.

É óbvio que em Cabo Frio não temos gente desse porte, com essa relevância política e até mesmo institucional. Os grupos tem se formado ao sabor de circunstâncias políticas: aqui por essas bandas a conjuntura tem sempre mais importância que as questões estruturais.

Acontece que o comportamento ou mesmo a incompetência dos trapezistas Adriano e Antônio Carlos não se coaduna com os discursos e mesmo com as lealdades afirmadas e reafirmadas ao longo da campanha que os levou a prefeitura.

O sentimento de traição é generalizado. Não somente a traição ao povo pelos propósitos divulgados e repetidos a exaustão, mas as pessoas que individualmente e coletivamente foram agregadas a campanha e que a ela se entregaram de corpo e alma.

Mar revolto

Um jovem amigo, observando o que acontece na política de Cabo Frio, acredita que a cidade vive um “mar revolto”. Após a ressaca vem a calmaria e a possibilidade de mais uma vez ter esperanças.

A cultura tem voz

A caminhada do grupo “A cultura tem voz”, que protestou contra a exoneração de Meri Damaceno e de sua equipe da secretaria municipal de cultura, foi, pouco expressiva, abaixo das expectativas.

Choro & Chorinho

O governo deve ter começado a acionar a máquina de concessão de portarias, contratos e outros adereços de pé, mãos e cabeça, típicas do carnaval de Cabo Frio. Na hora certa, vem o “choro” e o “chorinho” para a alegria geral.

Reforma retrô

O governo de Adriano Moreno não está fazendo uma reforma administrativa, mas uma reforma retrô. Parece que Adriano Moreno é apenas chefe de gabinete de novo mandato de Marquinhos Mendes como prefeito.

Clésio, o “novo” secretário de fazenda

Mistura de professor e empresário Clésio Guimarães Faria, que assumiu o lugar do “eterno tesoureiro” Paulo Machado, é o “novo” secretário municipal de fazenda. Clésio foi para o lugar do “príncipe” Antônio Carlos Vieira deslocado para a assessoria do “rei” Adriano Moreno.

O “mago” que fracassou.

Antônio Carlos Vieira assumiu a secretaria de fazenda louvado pelos vitoriosos na eleição e apresentado como uma espécie de mago das finanças: um “expertise”. A sua atuação na área pública não tem justificado a fama que o precedeu: um fracasso atrás do outro.

Finanças da prefeitura no “bagaço”.

As finanças da prefeitura de Cabo Frio estão como diria o Vovô Bibiu, no “bagaço”. Os servidores e os prestadores de serviço estão preocupados com o 2º semestre. Ninguém sabe se a prefeitura da dupla Antônio Carlos/Adriano Moreno vai ter “cacife” para honrar seus compromissos.

A especialidade!

O grupo, que compõe a extrema direita do governo, se especializou em radicalizar o discurso durante a campanha: insultos, acusações levianas, faziam parte do “pacote”. Na hora de governar revelaram a verdadeira face: a incompetência, que envergonha toda a cidade.

O “prefeito de fato”

Tudo leva a crer que, no Palácio Tiradentes, Antônio Carlos Vieira, ganhe ainda mais poder, ampliando seu espaço político. O “mundo político” de Cabo Frio considera que Antônio Carlos Vieira será o “prefeito de fato” ou mesmo uma espécie de 1º Ministro.

A Traição!

A traição a todos os compromissos de campanha e a deslealdade com antigos aliados e grandes amizades pessoais chocaram Cabo Frio e pelo “andar da carruagem” o governo não conseguirá a reeleição tal a rejeição e o repúdio popular. Como voltar a andar pelas ruas da cidade?

BLOG DO TOTONHO ENTREVISTA A PRESIDENTE DA ACIA, PATRÍCIA CARDINOT.

O Blog do Totonho entrevistou a presidente da ACIA, a empresária do ramo imobiliário, Patrícia Cardinot. A empresária faz uma análise dos problemas que enfrenta ao dirigir a entidade e as soluções que em pouco tempo trouxe para o setor.

Blog do Totonho

Você pode traçar para um perfil pessoal e profissional, inclusive as razões que a levaram a presidência da ACIA?

Patrícia Cardinot

Sou uma mulher independente com 47 anos sem filho e marido, dedicada totalmente ao trabalho e a minha atuação voluntária na busca de melhorias para a segurança pública e melhorias no geral. Além disso, estar sempre ajudando no que for possível para evitar que crianças e adolescentes caminhem para o tráfico, caminho sem volta na maioria das vezes e que não apenas prejudica ao jovem, mas sim a sua família.

Blog do Totonho

Qual a importância de uma mulher, empresária estar presidindo a ACIA, a maior e mais importante associação empresarial da região?

Patrícia Cardinot

Eu fico muito honrada por ter sido indicada e por ser uma mulher de família humilde, sem ser família tradicional, não sendo mulher de ninguém poderoso, amante de ninguém e chegar a um cargo de tanta importância na cidade. Ao aceitar concorrer nem me dei conta de sua amplitude e responsabilidades. O bônus é pequeno, mas os ônus é maior. Tenho enfrentado grande preconceito por ser mulher e o triste é que esse preconceito vem principalmente das mulheres empresárias que às vezes não aceitam outra mulher brilhar e se destacar. Tentam desconstruir minhas ações por seus egos e infelizmente não se unem, parecendo ser eu uma grande ameaça. Triste, mas verdade acontece.

Blog do Totonho

Faça uma análise da crise econômico-financeira vivida pelo país (estagnação e até recuo das atividades econômicas) e a crise em Cabo Frio onde nitidamente muitas casas comerciais estão fechando suas portas.

Patrícia Cardinot

Infelizmente vejo a cidade de Cabo Frio em pleno caos administrativo e sem liderança de gestão. Falta pro atividade e criatividade na administração, impedindo que a cidade caminhe. Não decolou até agora e não vejo um caminho promissor no futuro. O que vejo é um desemprego enorme. Faltam políticas públicas nos bairros e comunidades. Falta o turismo realizado da forma correta e criativa como deveria ser no momento de crise. É o momento que o competente administrador se destaca. Administrar com dinheiro é fácil, mas sem dinheiro se faz necessária sabedoria e competência. Importante aceitar críticas construtivas, ouvir sugestões e mudar atitudes errôneas e ações antiquadas que nunca deram certo há anos. Entretanto, ocorre o bloqueio de pessoas competentes e inteligentes, impedindo-as de se aproximarem. Tentam desqualificar suas imagens, usando atitudes pequenas e sem ética. Tentam esconder o que é óbvio aos olhos de todos. Uma situação caótica com nossas lojas fechando portas, inclusive lojas tradicionais fechando. Desemprego generalizado e o crescimento da criminalidade, que migra pra nossa cidade. Precisamos de muitas ações do poder público, porque hoje às polícias civil e militar é que estão impedindo de se chegar ao caos total. Infelizmente temos hoje uma Guarda Municipal sucateada como nunca antes se viu. Os profissionais da guarda querendo atuar, mas sem as mínimas condições, nem com viaturas.

Blog do Totonho

Existe relação do comércio via internet com a crise do comércio local? Como descrevê-la?

Patrícia Cardinot

A internet mostra nas mídias sociais muitos fatos e blogs como o seu que, inclusive, estava fazendo muita falta. O blog trás conteúdo construtivo e verídico pra que as pessoas esclareçam suas dúvidas.

Blog do Totonho

Qual a relação entre a ACIA e outros órgãos empresariais com a prefeitura de Cabo Frio?

Patrícia Cardinot

Como presidente da ACIA, as poucas vezes que fui até o gabinete do prefeito acompanhando empresários da ‘Rua dos Biquínis’, sempre fomos atendidos. O prefeito foi convocado à reunião na ‘Rua dos Biquínis’ e compareceu . Não vejo problemas até aqui. A ACIA na minha gestão não pede favor, mas exige seus direitos e se não estamos sendo atendidos busco as soluções. Caso não são dadas solicito e solicito até conseguir ou eu mesma vou até secretários e busco como resolver e consegui soluções para tantas questões com tanto pouco tempo de gestão. Basta querer e contornar as dificuldades fazendo os empresários entenderem que às vezes precisamos sim pagar um material uma tinta e o poder público entrar com a mão de obra. Muitas ações nascem daí. Com amor a cidade acho que tudo é possível e não amor apenas ao próprio bolso. Se não olharmos ao nosso redor não vai adiantar seu jardim estar verde; pois se em sua volta tudo secar você será atacado e perderá o que você cuidou e não sobreviverá na crise e no caos. Precisamos de união e isso é infelizmente o mais difícil em Cabo Frio.

O GRANDE VIÚVO – Nelson Rodrigues.

Na volta do cemitério, ele falou para a família:

— Bem. Quero que vocês saibam o seguinte: — minha mu­lher morreu e eu também vou morrer.

Houve em torno um espanto mudo. Os parentes entreolharam-se. O pai do viúvo ergueu-se:

— Calma, meu filho, calma!

Jair virou-se, violento:

— Calma porque a mulher é minha e não sua! Pois fique sabendo, meu pai: — eu não tenho calma, não quero ter calma e só não me mato agora mesmo, já, sabe por quê?

Uma tia solteirona atalhou:

— Tenha fé em Deus!

Por um momento, Jair esteve para soltar um palavrão. Domi­nou-se, porém. Numa serenidade intensa, fremente, completou:

— Não me mato imediatamente porque quero fazer o mau­soléu de minha mulher. Aliás, dela e meu. Quero dois túmulos, lado a lado. E vocês já sabem: — desejo ser enterrado com Dalila, perceberam?

Ninguém disse nada, e vamos e venhamos: — é muito difí­cil argumentar contra o desespero. E quando Jair passou, imer­so na sua viuvez, a caminho do andar superior, os presentes o acompanharam com o olhar, esmagados de tanta dor. Ele subiu lentamente a escada e foi trancar-se no quarto.

O INCONSOLÁVEL

Na ausência do rapaz, um tio arrisca: — “Será que ele se mata?”. O pai apanha um cigarro e dá a sua opinião:

— Não creio. Cão que ladra não morde.

Ponderam:

— Às vezes, morde.

E o velho, que era um descrente de tudo e de todos:

— O que sei é o seguinte: — a dor de um viúvo ou de uma viúva não costuma durar mais de quarenta e oito horas.

— Não exageremos!

O pai, porém, insistia, polêmico:

— Sim, senhor, perfeitamente! — E referiu um caso con­creto, que todos conheciam: — Por exemplo: — a nossa vizi­nha do lado. O marido foi enterrado de manhã e, de tarde, ela estava no portão, chupando Chicabon. Isso é dor que se apresente?

O episódio do sorvete calou fundo na sala. Sentindo o su­cesso, o velho carregou no otimismo:

— Vamos dar tempo ao tempo. Isso passa. — E concluiu, profundo: — Tudo passa.

A DOR

Quinze dias depois, porém, o viúvo estava tão desespera­do como no primeiro momento. Não se podia dar um passo na­quela casa que não se esbarrasse, que não se tropeçasse num retrato, numa lembrança da morta. E mais: — sabia-se, por in­discrição da arrumadeira, que Jair dormia, todas as noites, com vestidos, camisolas, pijamas da esposa. Certa vez, foi até inte­ressante: — ele meteu a mão no bolso e tirou, de lá, sem que­rer, uma calcinha da falecida. O próprio pai já não sabia o que dizer, o que pensar. Começou a rosnar que o filho estava “le-lé”, “tantã”. Com seu implacável senso comum, chegou a co­gitar de internação. Tiveram que chamá-lo à ordem:

— Internação para saudade? Para viuvez? Sossega o periquito!

— Mas qualquer dia ele mete uma bala na cabeça, ora pipocas!

Alguém lembrou o que Jair dissera, isto é, que só se mata­ria quando estivessem concluídas as obras do mausoléu. Dian­te desse filho que entupia os bolsos com as calcinhas da faleci­da, o ancião gemia: — “Por que que uma grande dor é sempre ridícula?”. Desesperava-o que Jair passasse os dias no cemitério, agarrado a um túmulo, chorando como no primeiro dia. E o pior é que a viuvez do filho era altamente declamatória. De volta do cemitério, ele vinha para casa deblaterar:

— Não se esquece a melhor mulher do mundo! Eu desafio que alguma mulher chegue aos pés da minha!

Dalila era muito mais amada morta do que em vida. O pró­prio Jair acabou sentindo um certo orgulho, uma certa vaidade, dessa dor que não arrefecia. E continuava fiel à idéia do suicí­dio. Batia sempre na mesma tecla: — não acreditava nos viúvos e nas viúvas que sobrevivem. E quando, certa vez, o pai quis argumentar contra esse suicídio datado, ele cortou:

— Meu pai, não adianta: — o senhor já perdeu seu filho. Sou, praticamente, um defunto.

E coisa curiosa: — fosse por auto-sugestão ou por motivo de saúde, o fato é que a pele de Jair adquiria um tom esverdeado de cadáver.

O OUTRO

Então, a família começou a procurar, desesperadamente, uma maneira de salvá-lo. Foi quando um primo longe de Jair teve uma idéia. Chamou o pai do rapaz e começou:

— Olha aqui, o negócio é o seguinte: — só há um meio de curar Jair.

— Qual?

O outro baixa a voz:

— Destruindo o amor que o prende à falecida.

O velho esbugalha os olhos: — “Mas como? Com que rou­pa? É impossível!”. Seguro de si, o primo encosta o cigarro no cinzeiro: — “Nada é impossível!”. Pigarreia e continua:

— Digamos que se descobrisse, de repente, que a falecida teve um amante.

O outro pulou:

— Mas Dalila era honestíssima, séria pra chuchu!

Ri o primo:

— Que era séria, sei eu. Mas até aí morreu o Neves. — No­vo pigarro e insinua: — Nenhuma mulher, viva ou morta, está livre de uma boa calúnia. Podíamos inventar, não podíamos, um amante de araque? E quem pode provar o contrário?

Pálido, o pai balbucia:

— Continua.

E o outro:

— Ora, uma vez convencido de que Dalila foi uma vigaris­ta, Jair perderia, automaticamente, a paixão. Compreendeu o golpe?

Custou a responder:

— Compreendi.

A REVELAÇÃO

O achado da calúnia era tão persuasivo que, depois de uns escrúpulos frouxos, a família aprovou a idéia. Disseram, a título de escusa: — “Os fins justificam os meios”. Uma manhã, en­quanto prosseguiam no cemitério as obras do mausoléu, con­vocam o viúvo. O pai, nervoso, começa perguntando: — “Vo­cê tem certeza que sua esposa merecia a sua dor?”.

Jair percebeu, no ar, a insinuação. Aperta o pai, que, em dado momento, não tem outro remédio senão desfechar o gol­pe: — “Embora seja muito desagradável falar de uma morta, a verdade é que Dalila teve um amante!”.

O viúvo recua: — “Que amante? Como amante?”. E não queria entender. Então, possuído pela calúnia, cada um, ali, con­firmou que sabia do amante, sabia da infidelidade. Atônito, ele perguntava: — “Mas quem era ele? Quero o nome! Quero a iden­tidade!”. A verdade é que ninguém tinha pensado no detalhe.

Fora de si, Jair agarrou o pai pelos dois braços e o sacudia:

— Eu estou disposto a acreditar no amante. Mas quero sa­ber quem foi. Quem é? Digam! Pelo amor de Deus, digam!

O pai refugiou-se na desculpa pusilânime: — “Diz-se o mi­lagre, mas não o nome do santo!”. Então, o filho fez, na frente de todos, promessas delirantes: — “Vocês pensam que eu vou matar? Fazer e acontecer? Juro que não! Não tocarei num cabe­lo do cara!”. E berrava, no meio da sala:

— Se me disserem quem foi, eu não me matarei! Preciso desse homem para viver! Ele será meu amigo, meu único ami­go, para sempre amigo! Digam!

Pausa. Espera o nome. E como ninguém fala, ele dá um pu­lo para trás e puxa o revólver que, desde a morte da mulher, jamais o abandonava. Encosta o cano na fronte: — “Ou vocês dizem o nome ou me mato, agora mesmo!”. Então, o pai vira-se na direção do primo e o aponta:

— Ele!

Apavorado, o primo não sabe onde se meter. Jair pousa o revólver em cima do piano. Aproxima-se do outro, lentamen­te. Súbito, estaca e abre os braços para o céu:

— Graças por ter encontrado quem possa falar de Dalila, comigo, de igual para igual!

Agarra o primo em pânico: — “Diz para esses cabeças-de-bagre se ela foi ou não a melhor mulher do mundo?”. E chora­va no ombro do pobre-diabo, como se este fosse, realmente, seu irmão, seu sócio, seu companheiro em viuvez.

DICA DO BLOG DO TOTONHO

Antologia reúne contos consagrados e algumas narrativas menos conhecidas no Brasil.

Esta bela seleção de contos do grande Eça de Queirós compõe um panorama dos temas característicos da obra do grande autor português. Seja pela crítica direta aos costumes de sua época ou pela alegoria de situações que mudam com a sociedade, Eça escreveu sobre o comportamento humano, do qual era arguto observador. Sempre em linguagem leve e direta, usando das sutilezas como tempero; o princi­pal eram os personagens e suas histórias. Um talento que o projetou como o mestre do romance português moderno e que também pode ser conferido por meio dos seus contos.

TROIKA DA RESTINGA X OS CARDEAIS.

A reforma administrativa, as novas alianças costuradas pela trinca Adriano Moreno/Antônio Carlos Vieira/Miguel Alencar e a lerdeza do processo de renomeação para cargos de confiança, levam a uma indagação mais que necessária: apesar de perderem espaço político e até administrativo os “cardeais”, que foram fundamentais para Adriano Moreno ganhar a eleição, estão definitivamente expurgados do governo?

A “troika da restinga” é formada por dois membros da “República do Edifício das Professoras”, Adriano e Antônio Carlos e por Miguel Alencar, membro da equipe do ex-prefeito Marquinhos Mendes. Essa é a turma que hoje manda na prefeitura e que conseguiu afastar da gerência do governo os “cardeais” da campanha, sem realização de qualquer ‘sínodo’. Essa é a composição política vitoriosa na prefeitura de Cabo Frio.

Caso os acordos sejam cumpridos, o que muita gente considera impossível, pelos novos ventos da política local, os “cardeais” estariam definitivamente fora do poder. O prefeito teria abandonado longas e antigas relações políticas e pessoais em benefício do pragmatismo que o envolveu e da “mosca azul”, que o picou.

Meri, 2ª manifestação

Aconteceu ontem, segunda-feira, mais um dia de protesto contra a exoneração da memorialista Meri Damaceno da secretaria municipal de cultura. Os manifestantes querem o retorno da secretária e de sua equipe ao cargo. O SBT fez a cobertura jornalística.

O termômetro

O termômetro da crise na área de cultura será o tamanho e a qualidade das manifestações de apoio a Meri Damaceno e sua equipe. Caso mantenham e ampliem a atual efervescência, o governo de Adriano Moreno e seu secretário Milton Alencar Júnior ficarão em situação política difícil.

Os pragmáticos

Alguns observadores mais pragmáticos acreditam que só na hora que o governo abrir a “caixa das nomeações” e começar a distribuir as portarias, é que vai se avaliar se as manifestações a favor de Meri Damaceno vão subir o tom ou minguar.

Milton ainda não se manifestou

Até o momento o novo secretário, o cineasta Milton Alencar Júnior, ainda não se manifestou politicamente, exceto no discurso, na trapalhada reunião no gabinete do prefeito Adriano Moreno. Manoel Justino, representante do Movimento Negro mandou artigo aqui no Blog do Totonho, fazendo algumas críticas a secretária Meri Damaceno.

Crise detona com salários atrasados

Qualquer crise tenderá a se ampliar caso a prefeitura não consiga pagar em dia o salário dos seus funcionários. O prefeito e seus “homens do peito” podem até fazer acrobacias, na Praça Tiradentes: nada salvará politicamente o governo de Adriano Moreno.

Bancada na câmara

O PC do B tem muito interesse em fazer uma bancada na câmara de Cabo Frio, liderada pelo vice-prefeito Felipe Monteiro. Com base nessa estratégia, apesar das divergências com Adriano Moreno vai permanecer no governo.

Uma vaga na câmara

A aproximação entre os grupos de Adriano Moreno e Marquinhos Mendes dificulta a recondução de Felipe Monteiro como vice, na chapa com Adriano Moreno. O PC do B enxerga as articulações e é bem provável que troque por uma representação na câmara.

Edifício das Professoras nomeia e exonera

O professor Flávio Rebel é membro honorário da República do Edifício Lila ou Edifício das Professoras. Segundo alguns astrólogos de plantão, em Cabo Frio, é essa “qualidade intrínseca”, que salva a sua gorda portaria. A Associação Desportiva Cabofriense (ADC) agradece.

DICAS DO BLOG DO TOTONHO

DAR CORPO AO IMPOSSÍVEL

O sentido da dialética a partir de Theodor Adorno

Em Dar corpo ao impossível, Vladimir Safatle parte de uma reflexão a respeito do sentido da última figura da dialética que o pensamento filosófico conheceu, a saber, a dialética negativa de Theodor Adorno. Ele recusa as interpretações deceptivas da dialética negativa, tão presentes até hoje, a fim de explorar suas dinâmicas de produtividade e as modificações que ela produz em conceitos como: totalidade, materialismo, sujeito, diferença e infinito. Isso leva Safatle a propor uma articulação de estrutura entre a dialética negativa e aquelas de matriz hegeliana e marxista. Articulação esta que procura compreender o sentido mais profundo das relações entre configurações da dialética e determinações históricas específicas. Trata-se ainda de se perguntar sobre o que a reatualização da dialética proposta por Adorno deve à psicanálise freudiana e à confrontação incessante à fenomenologia de Martin Heidegger. Ao final, Dar corpo ao impossível serve-se do saldo de tais reflexões para repensar a recusa da dialética que anima a filosofia francesa contemporânea, em especial através do anti-hegelianismo de Gilles Deleuze, assim como para retomar o uso que a dialética, enquanto experiência crítica, conheceu no Brasil, em especial graças a Paulo Arantes.

MENINOS CARVOEIROS – Manuel Bandeira.

Os meninos carvoeiros
Passam a caminho da cidade.
– Eh, carvoero!
E vão tocando os animais com um relho enorme.

Os burros são magrinhos e velhos.
Cada um leva seis sacos de carvão de lenha.
A aniagem é toda remendada.
Os carvões caem.

(Pela boca da noite vem uma velhinha que os recolhe, dobrando-se com um gemido.)

– Eh, carvoero!
Só mesmo estas crianças raquíticas
Vão bem com estes burrinhos descadeirados.
A madrugada ingênua parece feita para eles…
Pequenina, ingênua miséria!
Adoráveis carvoeirinhos que trabalhais como se brincásseis!

-Eh, carvoero!

Quando voltam, vêm mordendo num pão encarvoado,
Encarapitados nas alimárias,
Apostando corrida,
Dançando, bamboleando nas cangalhas como espantalhos desamparados.

PROFESSORES E ARTISTAS, OS MALUCOS DO NOSSO TEMPO.

O fortalecimento da ala bolsonarista, desde a campanha bastante encorpada, na prefeitura de Adriano Moreno, pode até torná-lo mais ágil e com maior penetração política no governo do estado.

Afinal, o governador é o Witzel, com incríveis atos performáticos, mirando como um “sniper” e ameaçando explodir mísseis sobre cabeças das populações de baixa renda das chamadas comunidades populares.

O secretário de fazenda é o novo presidente do Democratas, partido formado por legendas e políticos egressos da ditadura. Quem lembra da Arena, do PDS e do PFL, cheios de naftalina, tataravôs, bisavôs do Democratas e do PP de Maluf?

Esse “prestígio” pode dar ao prefeito uma ou duas toneladas a mais de massa asfáltica para tentar tapar os milhares de buracos, que a inépcia de sua administração deixou nas ruas da cidade.

Não dará, porém, aquilo que todo governante almeja: o afeto, o respeito e a credibilidade junto ao seu povo. O prazer de andar pelas ruas, bater aquele papo na esquina, tomar o cafezinho e conversar com amigos e adversários dentro de um clima de respeito.

Como cultivar essa relação amorosa com a sociedade, com povo de sua terra, hostilizando seus professores e artistas?

Os malucos do nosso tempo.

Esquentando cadeira

Observadores da política de Cabo Frio garantem que a secretária de educação Márcia Almeida estaria “esquentando cadeira” para o professor Alessandro Teixeira, secretário de educação de São Pedro da Aldeia. O professor é bem avaliado no meio político da Região dos Lagos.

De Barreto & Mendes

Alessandro substituiu Laura Barreto, na secretaria de educação em Cabo Frio e é ligado politicamente ao ex-presidente da câmara Aquiles Barreto. Tudo vai depender do sucesso da aliança política de Adriano Moreno, ex-alairzista de carteirinha, com o grupo de Marquinhos Mendes.

Cadê as auditorias?

A equipe de Adriano Moreno foi extremamente agressiva durante a campanha eleitoral, o mesmo estilo bolsonarista. Anunciou aos quatro ventos auditorias duras e independentes. Ora, ora ficou no discurso e na cara feia, além da aliança com quem antes insultava.

A hegemonia do Bolsonarismo

Essa equipe bolsonarista é hoje hegemônica e se aliou ao grupo de Marquinhos Mendes para derrotar antigos aliados internos, também conservadores e tirar do governo alguns setores progressistas. Resta saber se o ex-prefeito Marquinhos Mendes vai respeitar o acordo ou vir candidato com liminar.

Companhia da palavra

O “Som do Mar”, no bairro da Passagem, se consolida como ponto de encontro de quem curte manifestações culturais. Na última sexta-feira do mês, entre 18 e 20 horas, o grupo “Companhia da Palavra” reúne-se no “Som do Mar” para conversar sobre tudo o que diz respeito à linguagem.

Gastronomia & Cultura

Aos poucos o Bairro da Passagem vai se transformando pra valer em pólo gastronômico e cultura, de Cabo Frio. Para que o pólo se consolide seria interessante fechar toda a área histórica do bairro e os empresários ajudarem a manter a Igreja de São Benedito.

A entrevista de Patrícia Cardinot

Muito boa a entrevista de Patrícia Cardinot, presidente da ACIA ao Blog do Totonho. A empresária fala dos seus planos e da dificuldade que enfrenta para implementá-los. Patrícia não perde, porém o bom humor e o otimismo no enfrentamento das questões ligadas ao empresariado local.

Ato de repúdio

O movimento ‘A cultura tem voz’ faz Ato Público de repúdio a retirada da memorialista e escritora Meri Damaceno e sua equipe da secretaria municipal de cultura. O ato acontece, a partir das 11 horas, em frente ao Charitas.

Queda de braço

Organizadores do ‘A cultura tem voz’ e a prefeitura, certamente estarão em plena “queda de braço”: os organizadores procurando a massificação e a prefeitura apostando no esvaziamento. O sucesso político do movimento depende justamente da adesão ao Ato Público.

Como permanecer?

Caso o movimento ‘A cultura tem voz’ tenha sucesso e Meri Damaceno e sua equipe forem mantidos nos cargos cabe a seguinte pergunta: como são cargos de confiança (cargos comissionados ou portarias) do prefeito e ele demonstrou cabalmente que quer trocar a equipe, como permanecer?

A PARTICIPAÇÃO POPULAR COMO LEGADO

O anúncio do retorno do cineasta Milton Alencar ao comando da Secretaria de Cultura pegou de surpresa grande parte da classe artística e da sociedade cabo-friense na última quarta-feira, 26 de junho.

Mas não a nós da Gestão Meri Damaceno.

A surpresa deve-se ao fato da Gestão Meri Damaceno a frente da Secretaria de Cultura ser reconhecida pela maior parte da sociedade cabo-friense como um dos poucos pontos positivos de um governo em constante crise. Parte desse reconhecimento se deve ao belíssimo trabalho de fortalecimento das bases, através de reuniões regulares das Câmaras Setoriais dos diversos segmentos artísticos, capitaneado pelo Superintendente Matheus Lima. E para quem desconhece o que são e pra que servem as Câmaras Setoriais, elas formam o mecanismo legal de diálogo e debate entre a sociedade civil organizada e o poder público, o lugar da PARTICIPAÇÃO POPULAR que dá título a esse artigo.

Foram 120 reuniões realizadas mensalmente desde o início da nossa gestão com todos os segmentos artísticos, sempre com a participação de um representante do poder público. Nessas reuniões foram definidos de forma democrática e transparente inúmeros encaminhamentos da Secretaria de Cultura, onde se destacam o Dia Internacional da Dança, que lotou a Praça Porto Rocha em abril desse ano; a construção coletiva com os segmentos das artes cênicas e da dança do Regimento Interno do Teatro Municipal de Cabo Frio que hoje está em tramitação na Procuradoria e a participação de representantes da sociedade civil na construção da programação da Semana Teixeira e Souza.

Nesse sentido podemos dizer com o máximo de tranquilidade que só não participou desse projeto de participação popular na construção de uma Gestão Pública os artistas ou movimentos que decidiram se afastar do conceito de uma democracia transparente e participativa. As reuniões eram públicas, amplamente divulgadas em nossas redes e pelos conselheiros. No processo, percebemos a ausência continuada de diversos representantes conhecidos nessas reuniões, não por acaso, representantes de movimentos culturais que só conseguem produzir de fato quando estão aparelhados dentro da máquina pública com o mecanismo das portarias, e que desaparecem do cenário cultural quando seu grupo político de ocasião perde alguma eleição.

Já aí desenhava-se uma contradição.

Desenhar um projeto de forte cunho progressista dentro de um governo que se mostrava desde o início como um Frankenstein Político, com nomes do primeiro escalão ligados a extrema direita em áreas estratégicas como a Fazenda, e outros nomes ligados à extrema esquerda em área igualmente estratégica como a Educação. Muito rapidamente percebemos que a maior parte da batalha de ideias para a implementação de um projeto progressista e participativo de gestão pública teria uma oposição maior dentro do governo do que fora dele. E conscientemente decidimos comprar essa briga. Tínhamos como vantagem o diálogo direto de Meri Damaceno com o Prefeito; além do trabalho com as bases iniciado em agosto, que estava em plena maturação e entre concordâncias e discordâncias inerentes a um processo democrático, percebíamos também o respaldo que nossa Gestão tinha conquistado junto às bases.

Esse respaldo explica a superlotação do Charitas na reunião OFICIAL convocada por Meri Damaceno na última quinta-feira, dia 27 de junho, e um amplo movimento capitaneado pela sociedade civil que organiza um Ato para essa segunda-feira, 01 de julho, às 11h no Charitas, com uma carta de repúdio ao que foi feito com Meri Damaceno que já ultrapassa 500 assinaturas, contando com assinaturas de artistas de todo o estado além de inúmeros representantes da sociedade civil.

Nesse momento, está criada a Crise também na Secretaria de Cultura. Uma crise que ironicamente foi criada pelo amadorismo político de integrantes do Governo que deveriam evitar novas crises em um governo repleto delas, que em nenhum momento entenderam o trabalho de base que estava sendo construído e, principalmente, o enorme tamanho, o histórico e a representatividade de Meri Damaceno não somente para a classe artística, mas para toda a cidade.  Devemos essa crise aos antigos representantes de Alair Correa e Marquinho Mendes que hoje ocupam o Gabinete do Prefeito – Sérgio Ribamar e Miguel Alencar.

A esses devo uma grande lição nessa minha primeira experiência na Gestão Pública que talvez seja a grande contradição que tem paralisado esse Governo e muitos outros. A dissociação completa entre o Governo e Cidade, como se ambos fossem organismos distantes e distintos um do outro. Em bom português, não se debate em momento nenhum a solução dos problemas estruturais históricos da cidade, do qual a Cultura é apenas uma parte, mas se debate somente os problemas estruturais do próprio Governo, problemas causados pela própria indefinição ideológica inicial.

O que está sendo chamado de Golpe na Cultura teve sua agenda iniciada com a entrada de Miguel Alencar na Secretaria de Governo logo depois do Carnaval e se aprofundou com o decreto do fim de maio que exonerava todos os cargos comissionados sob o pretexto de uma necessária Reforma Administrativa. Nesse processo, o diálogo direto da Secretária Meri Damaceno com o Prefeito foi rompido, com decisões e conversas que cabiam ao Prefeito sendo constantemente terceirizadas para serem definidas com Sérgio Ribamar e Miguel Alencar. Durante as duas últimas semanas tentávamos uma conversa direta com o Prefeito, com reuniões sendo constantemente remarcadas e postergadas. Eis a agenda da semana do que está sendo chamado de Golpe na Cultura:

Segunda-Feira 24/06/2019 – Meri Damaceno tenta mais uma vez encontrar-se com o Prefeito. É comunicada por Miguel Alencar e Sérgio Ribamar que eles “precisariam da Secretaria dela”. Ela pergunta se o Prefeito sabe disso e diz que quer ouvir isso diretamente dele. É agendada uma Reunião com o Prefeito para o dia seguinte.

Terça-Feira 25/06/2019 – A Secretaria de Cultura convoca uma Reunião Oficial Ampla e Aberta para artistas de todos os segmentos para quinta-feira, dia 27 de junho, no Charitas. Meri Damaceno tenta mais uma vez se encontrar com o Prefeito e não consegue. Sérgio Ribamar agenda uma reunião para quarta-feira, dia 26/06, às 9h. Às 20h, manda mensagem remarcando para as 14h.

Quarta-feira 26/06 – O prefeito recebe na quarta-feira, às 9h da manhã, artistas selecionados, convocados por Miguel Alencar e por representantes do Legislativo capitaneados por Ricardo Varella, em uma Reunião que começa secreta e torna-se semipública quando o seu conteúdo é vazado. Diversos artistas se encaminham para a Prefeitura e muitos têm dificuldade de entrar. O convite é feito a Milton Alencar, sem que a atual Secretária tenha conseguido conversar com o Prefeito. A Gestão Meri Damaceno decide pela manutenção da Reunião Oficial Ampla e Aberta de quinta-feira.

Quinta-feira 27/06 – A Gestão Meri Damaceno faz uma prestação de contas para os segmentos e uma avaliação dos motivos reais de sua substituição para centenas de artistas. Do lado de fora, diversos artistas testemunham Milton Alencar gravando as pessoas que entram na reunião. A Sociedade Civil decide iniciar um movimento de defesa da gestão Meri Damaceno.

Domingo 30/06 – Uma carta de repúdio escrita pela Sociedade Civil já conta com mais de 500 assinaturas em apoio a Meri Damaceno. O Ato A CULTURA TEM VOZ é agendado para segunda-feira, 01 de julho, às 11h, no Charitas.

Os passos a seguir não são tão previsíveis como muitos supõem. E escrevo essa avaliação já fazendo a minha transição de Gestor Público para Produtor Cultural Independente. O que foi feito gerou um desgaste político muito maior do que o esperado pelos Gestores que pensam o Governo e se esquecem de ver a Cidade. A decisão parece voltar aos tempos em que a Secretaria de Cultura parecia um Negócio de Família que passa de Pai para Filho (ou de Filho para Pai), dando a impressão que os espaços públicos voltem a serem feudos ocupados pelas mesmas famílias. Há uma enorme rejeição histórica ao nome de Milton Alencar e a forma como foi feita a manobra aumentou exponencialmente o que já era ônus.

Não fizemos uma Gestão livre de erros, é certo, mas fica claro que o afastamento de Meri Damaceno não se deve a uma alegada inexperiência administrativa como já foi sugerido, muito menos a uma incompetência de sua Gestão. Pelo contrário, as manifestações de apoio da classe artística que se multiplicam nas redes sociais ressaltam a transparência e a disposição para o diálogo de sua Gestão. Sua “queda” foi uma derrota maior para o Governo do que para sua Gestão. Meri Damaceno que já era grande consegue sair gigante dessa contenda. Do outro lado, Milton Alencar chega acuado cercado de muitas desconfianças que vão desde a forma sorrateira como chegou ao cargo até o suposto envolvimento do seu filho na escolha do seu nome.

Hoje não há condições políticas de assumir a Secretaria de Cultura sem aprofundar ainda mais a crise do Governo. O que era uma Secretaria pacificada e com um trabalho sério de construção de políticas públicas com participação popular será um barril de pólvora com segmentos artísticos de histórica militância acompanhando todas as ações dessa nova gestão com sangue nos olhos e faca nos dentes.

Com tantos ônus políticos envolvidos, seja lá qual for o negócio, ele deve mesmo valer a pena.  Vamos torcer para que o Negócio seja a Cultura e a Cultura não seja o Negócio.

Ficaremos de olho.

Bruno Peixoto Cordeiro

Corpo Gestor do Teatro Municipal de Cabo Frio na Gestão Meri Damaceno

30/06/2019

Foto: Luciana Rocha