ANTÔNIO ÂNGELO, LEVADO AO CÉU PELOS PASSARINHOS, PARTIU ANTES DO COMBINADO.

Em plena pandemia estou revisitando os editoriais do Blog e o reencontrei. Datado de 24 de maio de 2019, fala de um amigo tão importante para a nossa cidade, que vai ficar no afeto de todos que amam Cabo Frio.

De acordo com o humor e a importância do momento vários temas se revezaram nos editoriais do ‘Momento’, ‘Jornal do Totonho’ e finalmente ao ‘Blog do Totonho’, entretanto, um deles permaneceu todo esse tempo: o meio ambiente.

Muito influenciado pela persistência e sabedoria do fotógrafo e ambientalista apaixonado, Antônio Ângelo Trindade Marques, meu ex-aluno no pré-vestibular, no Rio de Janeiro e emérito “matador de aula”. Nos bares vizinhos ao curso fazia sucesso com as garotas mais descoladas da Zona Sul: o “galã”!

Em Cabo Frio, nos reencontramos, ambos com a cabeça quase totalmente branca, debatemos e brigamos muito. Antônio Ângelo tinha o mau humor mais engraçado que conheci e imensa capacidade para cativar amigos, em qualquer nível da injusta escala social brasileira.

Rolando Boldrin, o trovador da música caipira diria, se o conhecesse, “Antônio Ângelo levado ao céu pelos passarinhos, partiu antes do combinado”. Saiu de cena, deixando grande lacuna, na luta pelo estudo, conservação ambiental e os amigos sem chão.

Quem sabe os passarinhos quiseram preservá-lo das ameaças que pairam sobre o Parque Municipal da Boca da Barra e lá dentro suas paixões: a Ilha do Japonês e a Praia da Barra, a velha senhora tão maltratada por aqueles que dela querem extrair tudo, inclusive a beleza.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

Dúvida cruel

Os internautas estão em dúvida de como chamar os bolsonaristas após a divulgação do vídeo da reunião ministerial: hemorróida? Gado? Bosta? A escolha é sua. Viva a liberdade de expressão!

Calada!

A extrema direita cabofriense está calada nas redes sociais. Os internautas estão tirando sarro da cara dos poucos bolsonaristas, que tem a coragem de botar a cara na reta. Os que sobraram, entretanto, estão ainda mais agressivos.

“Cachorro Morto”

O governo de Adriano Moreno, com as novas alianças, está jogando uma última cartada para se salvar politicamente, embora as chances de reeleição estejam perto de zero. Adriano apanha de quase todos os lados, o que significa que o mundo político de Cabo Frio o considera “cachorro morto”.

São Tibúrcio.

Existe salvação política para o governo de Adriano Moreno? Em política não existe nunca, mas que precisa de milagre, lá isso precisa. É preciso convocar um santo desocupado, tipo São Tibúrcio ou São Genésio. São Jorge Guerreiro não dá, tem a vida muito atribulada pelo excesso de pedidos.

O que aconteceu?

Dirlei Pereira a lideranças ultraconservadoras foi um dos organizadores das concentrações e caminhadas que bradavam contra a corrupção pediam intervenção militar. Recentemente o ex-vereador anunciou o “mensaleiro” e ex-presidiário Roberto Jefferson em seu programa. Curiosidade: por que será que Dirlei rompeu totalmente com o grupo de Adriano Moreno?

Ora, ora …

A melhor observação sobre a turma da República do Edifício das Professoras (Edifício Lila) foi sem dúvida do “velho morubixaba”, o ex-prefeito Alair Corrêa: a “República das Taboas”. Ora, ora …..

De olho na prefeitura

A se manter o atual quadro político-eleitoral, a nominata do Democratas vai eleger prioritariamente o ex-secretário de governo, Miguel Alencar, bastante ligado a Aquiles Barreto. Reeleito, Miguel Alencar é candidatíssimo a prefeito em 2024.

O clarinetista!

O ex-deputado federal Paulo César Guia sempre relembra seu tempo de músico. “Cessé de Jairinho” foi clarinetista da “furiosa”, banda da Sociedade Musical Santa Helena. “Mão que salva” é candidato a prefeito de Cabo Frio pelo Patriotas.

A última porta

A candidatura de Aquiles Barreto foi à última porta para Marquinhos Mendes permanecer na política de Cabo Frio. O ex-prefeito tornou-se inelegível depois que a câmara municipal lhe deu apenas 10 votos contra o parecer do TCE-RJ. Os penduricalhos de Marquinhos são muitos e continuam sem solução a vista.

Não dá para ressuscitar

Quando a Bacia de Campos se tornou “madura” e o preço do barril de petróleo despencou os “sheiks do petróleo” perderam a túnica, os votos e a credibilidade como administradores. O modelo de governar, praticamente idêntico, revelou-se um rotundo fracasso, porque não resiste a “vacas magras”

“Vacas Magras”

O modelo criado no tempo da fartura não resiste à temporada de “vacas magras”. A herança dos ralos administrativos e financeiros e dos seguidos desmandos, persiste: mudaram algumas figuras, mas na essência a Corte, no governo de Adriano permanece a mesma. O modelo é podre e com ele não dá para governar.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

Estamos todos no mesmo barco, mas nem todos na mesma tempestade.

Estamos todos no mesmo barco, mas nem todos na mesma tempestade. O objetivo do barco é único, mas cada viajante tem o seu e assim sua tempestade se torna diferente.

Uns estão passando pela tempestade com angústia, outros com paz, outros com momentos de reflexão!

Então cada um está passando por ela a sua maneira!

Muitos irão atravessar bronzeados de piscina, outros com cicatrizes na alma.

No momento essa tempestade também nos proíbe de nos abraçarmos, de nos beijarmos, de nos vermos, mas nesse barco não estamos proibidos de demonstrar amor, de deixar os amigos, de sentirmos saudades!

E quando esse barco chegar ao seu destino, seremos outras pessoas.

Assim, cada um vai criando sua história.

Temos que compreender que a vida nos dá, mas também nos tira e não estamos proibidos de buscar a felicidade!

O importante é que o passado nos ensinou e hoje é o presente e o futuro pertence a nós que iremos fazer, pois somos todos habitantes!!

(*) Ângela Maria Sampaio de Souza é professora.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

Percursos da poesia brasileira Do século XVIII ao século XXI por Antonio Carlos Secchin

Este livro elabora uma espécie de “história informal” da poesia brasileira, percorrendo-a desde o século XVIII, com Tomás Antônio Gonzaga, até alcançar alguns escritores do século XXI. Ao lado de estudos consagrados a nomes estabelecidos, Antonio Carlos Secchin propõe inovadoras reflexões acerca de autores esquecidos ou minimizados no cânone de nossas letras. Seja no trato de questões genéricas – em ensaios que estampam questões de ordem histórica e sociológica – seja na verificação microscópica das engrenagens do texto literário, avulta a mesma consciência atilada do crítico, em sua surpreendente capacidade de multiplicar os sentidos da obra que examina. A enunciação ao mesmo tempo sofisticada e comunicativa, que marca tanto a criação poética quanto o ensaísmo de Secchin, está presente em cada passo deste Percursos da poesia brasileira.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

O NÍVEL É MELHOR

Apesar de não ser uma das 7 maravilhas do mundo moderno, as reuniões da Câmara Municipal de Cabo Frio, são bem mais decentes e civilizadas que as do ministério de Bolsonaro. O Brasil ficou estarrecido com o que viu e ouviu. Estamos nas mãos de desqualificados e fascistas.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

Desastre!

Um dos candidatos bolsonaristas tenta cativar eleitores cabofrienses com intensa propaganda nas redes sociais da internet. É o mesmo que tentou criar uma CPI, na ALERJ para investigar as universidades públicas, seguindo orientação do ministro da educação Abraham Weintraub.

Mistério!

Nas redes sociais continuam manifestações sobre o possível “Efeito QuaQuá” sobre o processo eleitoral de Cabo Frio. Embora o ex-prefeito de Maricá seja figura importante do PT, no estado, não se sabe ainda de que maneira ele poderia dar ao PT os votos, que ele nunca teve no município. É um mistério!

Fortalecer o SUS

O secretário municipal de saúde, Iranildo Campos, poderia aproveitar que pegou o covid-19 e renunciar ao cargo. O momento é de fortalecer o SUS e é inaceitável trazer OSs para terceirizar a saúde pública em Cabo Frio.

As “rachadinhas”

O secretário municipal de saúde, que é ex-deputado na ALERJ teve o seu nome citado algumas vezes no Jornal Nacional, da Rede Globo. Seu gabinete está sendo investigado por denúncias da existência do esquema de “rachadinhas”.

Trapalhadas

O governo Adriano Moreno/Cati, cada vez mais tem o apoio de Aquiles Barreto e Marquinhos Mendes. O governo tem o mesmo DNA de Bolsonaro e se mete em trapalhadas quase diariamente. Vai disputar espaço com Sérgio Luiz Azevedo.

No campo progressista

José Bonifácio conseguiu montar, com Rafael Peçanha, uma aliança no campo progressista com o PDT, PSB, Cidadania e Rede Sustentabilidade, podendo agregar outras forças políticas. O PSOL, até o momento, ainda está fora da aliança.

Nenhuma novidade

A posição do PT não trás nenhuma novidade. Desde a aliança Alair (“mestre”) para prefeito e Marquinhos (“aluno”) para vice, que o PT foi cooptado: o episódio repercutiu em todo o estado. O partido, em função da bancada nacional, sempre teve bom tempo de TV, no horário eleitoral gratuito, embora nunca tenha conseguido transformar em votos.

De olhos abertos

O que ainda não se sabe é se houver a formalização da aliança com o governo Adriano Moreno/Cati se a executiva do PT, sempre tão ciosa dos seus “direitos” vai querer portarias (cargos comissionados) na prefeitura. De olhos abertos!

Fiscalização rigorosa

Esses acordos em ano de eleições devem ser fiscalizados criteriosamente pela justiça eleitoral, ministério público, pela própria oposição e a sociedade civil organizada. É importante que estejam absolutamente dentro da Lei.

Aposentados & Pensionistas

Afinal, se hoje o governo Adriano Moreno/Cati não cumpre a Lei Orgânica Municipal (LOM) e está sem pagar aos aposentados e pensionistas do IBASCAF, imagina se tiver que empregar ainda mais gente, fruto de acordos políticos. Seria inadmissível inchar ainda mais a máquina pública.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

A CRISE DAS CESTAS BÁSICAS

Luis Geraldo & Letícia Jotta

Os vereadores Luis Geraldo, presidente da câmara e Letícia Jotta, presidente da comissão especial de saúde, cansaram de esperar, conseguiram mandado de segurança contra a prefeitura, leia-se Adriano Moreno/Cati. Os vereadores estavam particularmente irritados porque não receberam respostas da prefeitura dos ofícios com pedido de informações.

Mandado de segurança

O mandado de segurança obriga a prefeitura a enviar, no prazo de cinco dias as notas fiscais das compras de cestas básicas para enfrentamento da crise gerada pelo covid-19 e também a listagem das famílias beneficiadas pelas cestas. A princípio essa tarefa está entregue a secretaria de assistência social.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter