2ª – Ângela Maria Sampaio de Souza.

3ª – Marcos Antônio de Paula

4ª – Eduardo Pimenta

5ª – José Correia Baptista

6ª – Rafael Alvarenga

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

PROMOÇÃO SOCIAL

Caiu muito bem junto a opinião pública a escolha da professora Nilza Miquelotti para a secretaria de promoção social. A professora junta competência, credibilidade e conduta ética impecável e devia estar bastante desconfortável na chefia de gabinete, que não é a praia dela.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

BOATOS NA SAÚDE

Boatos na saúde

A secretaria de saúde tem sido alvo de uma ampla onda de boatos provocada por inúmeros interesses insatisfeitos na condução das políticas públicas da área. A saúde é um setor bastante sensível, em especial nesse período de pandemia que o país vive.

Demissão!

Até agora não foi divulgado o nome que vai substituir o médico Beto Nogueira, na secretaria de saúde, que se demitiu alegando razões pessoais. O trio formado por Felipe Fernandes, Érika Borges e Luid Borges continua tocando o barco em meio à pandemia.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

STALKER

Marcos Antônio de Paula

Todo mundo ligado nas redes sociais hoje em dia conhece bem o termo. É, também, nome de vídeo-game.

Muito antes disso, porém, Stalker já era o nome de um filme de ficção científica do cineasta russo Andrei Tarkovsky (1932-1986).

Obrigatório para quem gosta de cinema (aliás, todos os filmes do bom camarada Andrei), o recomendo para amantes da fotografia. Cada fotograma, é, em si, uma obra de arte.

Que ninguém espere a ação frenética padrão Guerra nas Estrelas.

O filme adapta o livro “Piquenique à beira da estrada”, dos irmãos russos Arkádi e Boris Strugatsky. Arrisco dizer que com bastante liberdade, a ponto de as histórias tomarem rumos bem diferentes.

Visto o filme, passei a procurar o livro. É curiosíssimo o universo paralelo que são os autores russos de ficção científica para nós, acostumados à profusão de autores norte-americanos.

Quem quiser ir um pouco além e tiver curiosidade sobre a antiga União Soviética, saiba que tem muita coisa interessante na internet sobre o uso da ficção científica como instrumento de propaganda estatal nos tempos de “seu” Stalin.

Conhecia apenas “Solaris” de Stanislaw Lem, que Tarkovsky também levou às telas e teve um bom remake com o astro e, segundo dizem, gente boníssima, George Clooney. Aqui entre filme e livro, fico com o primeiro.

O mote do Piquenique à Beira da Estrada é bem conhecido e até o precede. Não tem perigo de dar spoiler.

Os aliens já visitaram a Terra em diversas ocasiões, mas sequer notaram a existência dos seres humanos. Explica um dos personagens que as marcas dessas visitas são como aqueles vestígios largados por viajantes que param à beira da estrada para descansar e fazer um lanche rápido antes de seguirem viagem. Guardanapos, restos de comida, latas de refrigerante, bingas de cigarro, marcas de pneu e de sapatos, palitos largados ao acaso que os habitantes locais – insetos, pássaros, pequenos roedores, vermes – tentam dar uso sem a menor possibilidade de saberem a origem, riscos e real utilidade daqueles “achados “.

Imagino que não era intenção dos autores fazer alertas sobre ecologia, bioética e coisas do tipo. Possivelmente queriam apenas contar uma boa história.

Mas, vez por outra, diante do noticiário, visto a carapuça lançada pelos irmãos Strugatsky e fico pensando o quanto não estamos batendo cabeça. Tentando dar uso ao que não dominamos completamente, cuja origem e utilidade desconhecemos e subestimando o real impacto de nossas ações sobre essa franja de acostamento que ocupamos no universo.

(*) Ciências Contábeis/UFF.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

PROJETO RUA DA ÁRVORE

Aquiles Barreto, secretário de governo e o presidente da câmara Miguel Alencar não estão na política a passeio. Ambos trabalham em conjunto e de olho na sucessão de José Bonifácio. Embora o governo não tenha completado seis meses o Projeto Rua da Árvore está em andamento. Terá o apoio de Janio Mendes?

A Exoneração!

É óbvio que a exoneração da secretaria de ação social, Juliana Revelles não passou por consulta prévia ao presidente da Comsercaf, Jefferson Vidal. Representa sem dúvida um estremecimento político dentro do governo, mas que não chegou a se transformar em terremoto devido à rápida ação do prefeito.

Lições do período

Do episódio sobram algumas lições que precisam ser maturadas a começar pela constatação que a prefeitura de Cabo Frio só comporta um governo. Não há espaço para qualquer projeto político, ao menos no momento, que confronte com o do prefeito que tem o respaldo do voto popular. Portanto …

O Cardeal da Gamboa

Após a derrota eleitoral, na tentativa de reeleição em 2018, Janio Mendes parecia carta fora do baralho na política cabofriense. O processo eleitoral de 2020 o trouxe novamente ao centro da arena política local. O cardeal da Gamboa teve grande influência na formação do governo e segundo as “paredes murmurantes” do Palácio Tiradentes continua apitando muito.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

A ESCRAVIDÃO MODERNA

Ângela Maria Sampaio de Souza

Causa preocupação ver aumentar o número de crianças, jovens, mulheres e homens que são obrigados a ganhar a vida nas ruas explorados muitas vezes por familiares ou até mesmo por organizações criminosas.

Essa realidade nos faz pensar em nossa sociedade que se diz moderna, desenvolvida, mas não alcançou ainda os níveis de amor ao próximo.

Não podemos fechar os olhos nem ficarmos inertes frente à necessidade de salvaguardar a dignidade dessas criaturas, ameaçadas por fatores culturais e econômicos.

Nosso país apesar de ter abolido a escravidão em 1888, carrega uma herança, que torna a classe dominante de descaso e por fim nos leva a desigualdade.

Não estamos nos tempos da escravidão,mas ainda existem milhões de pessoas escravas dos seus próprios pensamentos e ninguém além de você mesma pode libertar sua mente.

Atualmente a exploração física, econômica, psicológica, sexual de muitos  levam crianças, adultos, idosos à desumanidade e à humilhação.

Não é possível libertar um povo sem antes livrar-se da escravidão de si mesmo.

Cada pessoa tem sua caminhada própria e o resultado virá na medida do seu esforço.

A escravidão moderna, uma expressão genérica, segundo as pessoas são forçadas a exercer atividades contra sua vontade.

Parece estranho estarmos falando em escravidão no século XXI, mas é uma verdade e essa escravidão pode ser física, mental e social.

Apesar de muitas vezes discutirmos sobre esse assunto, a cultura da escravidão ainda está presente.

Muitos são escravos do dinheiro, consumo, aparência física, idéias e egoísmo mas essa escravidão só será abolida por si mesmo.

O dinheiro representa uma forma de escravidão e uma riqueza é uma forma  difícil de se libertar.

Apesar de grandes esforços, a escravidão moderna continua sendo um flagelo em larga escala.

Proteger o povo, garantir seus valores de liberdade, igualdade e fraternidade só será possível quando existir respeito da cidadania.

Todos querem ter liberdade, mas ninguém quer viver na igualdade e para isso é preciso que a liberdade, igualdade e fraternidade aconteça dentro de nós e não da boca para fora.

(*) Ângela Maria Sampaio de Souza é Professora.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

TERREMOTO DE BAIXA INTENSIDADE

Pequena repercussão

Não teve grande repercussão junto à opinião pública à exoneração da secretária de assistência social Janaína Revelles, leia-se Vidal. O terremoto que se avizinhava foi de baixa intensidade, 2,5 na Escala Richter, sem a possibilidade de tsunami, ao menos no plano interno, e dissolveu-se em menos de 48 horas.

O Gabinete

Com a transferência da professora Nilza Miquelotti para a secretaria de assistência social as atenções se voltaram para a chefia de gabinete onde, a princípio, deve ficar Pedro José. Como a movimentação política está ocupada pela secretaria de governo, com Aquiles Barreto, a Pedro José caberá a parte administrativa.

Solução interna

O nome da professora Elicéa da Silveira é uma forte opção que o prefeito José Bonifácio pode lançar mão caso queira manter a paridade entre homens e mulheres no primeiro escalão do governo. A professora foi secretária de educação no 2º mandato de José Bonifácio e secretária de administração de Adriano Moreno, com bastante experiência no setor público.

Negociações com os sindicatos

O governo tem dito que a prioridade é quitar as dívidas com os servidores municipais. As negociações estão avançadas com os sindicatos e estão sendo tocadas por Aquiles Barreto, Ruy França e Daniella Mendes, respectivamente secretários de governo, administração e fazenda.

Compartilhe:
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter